MPLA aponta perspectivas de cooperação com a Federação Russa

  • Presidente do MPLA, João Lourenço (arquivo)
Luanda - O presidente do MPLA, João Lourenço, afirmou hoje, quarta-feira, que no quadro da diversificação da economia nacional, abrem-se enormes perspectivas de cooperação com a Federação Russa em diversos sectores.

Realçou os sectores da indústria, agro-pecuária, pescas, energia, turismo, telecomunicações e ciência e tecnologia, como os que mais podem contribuir para o efeito.

Numa mensagem enviada à conferência interpartidária Rússia–África, que decorre durante dois dias em  Moscovo, referiu que igualmente devem merecer uma especial atenção na cooperação entre os dois países a investigação científica e a formação de quadros de excelência.   

João Lourenço disse que o mundo continua a viver os efeitos da pandemia resultante da Covid-19, que teve impacto negativo sobre as economias de todos os países, o que leva a se trabalhar na busca de uma resposta global. 

“Angola adoptou muito cedo as medidas de prevenção recomendadas pela Organização Mundial da Saúde; no entanto, a estrutura da economia do país, onde o sector informal tem um peso considerável, não podia suportar os efeitos da paralisação da economia por muito tempo, o que levou à implementação de medidas com vista ao alívio do confinamento e ao regresso progressivo às actividades dos diferentes sectores“, sublinhou..  

De acordo com o líder do partido no poder em Angola, desta forma, conseguiu-se evitar a propagação massiva da doença, que conduziria ao colapso do sistema nacional da saúde. 

Considerou importante o desenvolvimento das relações entre os países africanos e a Federação da Rússia, bem como entre os partidos políticos, que têm a responsabilidade de definir as políticas que guiam a acção dos respectivos governos, para fazer face aos enormes desafios que se enfrentam hoje.

No evento, o Presidente do MPLA é representado pela Vice-Presidente do partido, Luísa Damião, de modo virtual, a partir de Luanda.

Realçou os sectores da indústria, agro-pecuária, pescas, energia, turismo, telecomunicações e ciência e tecnologia, como os que mais podem contribuir para o efeito.

Numa mensagem enviada à conferência interpartidária Rússia–África, que decorre durante dois dias em  Moscovo, referiu que igualmente devem merecer uma especial atenção na cooperação entre os dois países a investigação científica e a formação de quadros de excelência.   

João Lourenço disse que o mundo continua a viver os efeitos da pandemia resultante da Covid-19, que teve impacto negativo sobre as economias de todos os países, o que leva a se trabalhar na busca de uma resposta global. 

“Angola adoptou muito cedo as medidas de prevenção recomendadas pela Organização Mundial da Saúde; no entanto, a estrutura da economia do país, onde o sector informal tem um peso considerável, não podia suportar os efeitos da paralisação da economia por muito tempo, o que levou à implementação de medidas com vista ao alívio do confinamento e ao regresso progressivo às actividades dos diferentes sectores“, sublinhou..  

De acordo com o líder do partido no poder em Angola, desta forma, conseguiu-se evitar a propagação massiva da doença, que conduziria ao colapso do sistema nacional da saúde. 

Considerou importante o desenvolvimento das relações entre os países africanos e a Federação da Rússia, bem como entre os partidos políticos, que têm a responsabilidade de definir as políticas que guiam a acção dos respectivos governos, para fazer face aos enormes desafios que se enfrentam hoje.

No evento, o Presidente do MPLA é representado pela Vice-Presidente do partido, Luísa Damião, de modo virtual, a partir de Luanda.