MPLA repudia vandalismo na estátua de Agostinho Neto

  • Manifestações em Luanda
Luanda - O Bureau Político do MPLA condenou, sexta-feira, os actos de vandalismo e ultraje praticados por alguns jovens à estátua do primeiro Presidente de Angola,  Agostinho Neto, no largo 1º de Maio, em Luanda.

Em nota a que a ANGOP teve acesso, o MPLA considera que a dimensão humanista e intelectual de Agostinho Neto reconhecida e respeitada nacional e internacionalmente merece o respeito de todos os angolanos.

“Agostinho Neto é a referência maior do moderno nacionalismo angolano e do movimento de libertação nacional e marco incontornável da nossa caminhada rumo à construção de uma Angola independente, unida, desenvolvida, democrática e inclusiva, pelo que o MPLA manifesta total repúdio pelo vil comportamento infame adoptado contra a memória colectiva dos angolanos”, lê-se na nota.

Para o MPLA, o alargamento expressivo dos espaços de liberdade de expressão de opinião e de manifestação política promovido pelo Executivo não pode servir para acobertar actos que desrespeitam os símbolos nacionais e põem em causa a estabilidade política e a reconciliação entre os angolanos.

Alerta os organizadores e instigadores desse tipo de atitudes e comportamentos anti-sociais para as consequências dos seus actos nos marcos consagrados na Constituição e na lei.

O partido no poder em Angola insta as autoridades a tomarem as devidas medidas no sentido da responsabilização criminal dos autores dos actos vexatórios à figura do Herói Nacional, exortando a juventude angolana a não se deixar instrumentalizar pelos inimigos da paz, da reconciliação e da unidade nacional.

Na sua nota, recomenda aos jovens que, mesmo no exercício do seu direito livre e soberano de manifestação, a pautarem por uma cidadania responsável assente no respeito à diferença e tolerância políticas, convidando as forças vivas da  sociedade a juntos trabalharem na edificação de uma Angola desenvolvida, democrática e inclusiva.

A propósito da vandalização da estátua de Agostinho Neto, localizada no largo 1º de Maio, em Luanda, diversos organismos, entre os quais o GPL e a União dos Jovens Amigos de Agostinho Neto, condenaram também o comportamento dos manifestantes.  

A manifestação, terceira realizada na capital do país entre Novembro e Dezembro, partiu do largo adjacente ao Cemitério da Santa Ana e culminou com marcha até ao largo 1º de Maio.

Em nota a que a ANGOP teve acesso, o MPLA considera que a dimensão humanista e intelectual de Agostinho Neto reconhecida e respeitada nacional e internacionalmente merece o respeito de todos os angolanos.

“Agostinho Neto é a referência maior do moderno nacionalismo angolano e do movimento de libertação nacional e marco incontornável da nossa caminhada rumo à construção de uma Angola independente, unida, desenvolvida, democrática e inclusiva, pelo que o MPLA manifesta total repúdio pelo vil comportamento infame adoptado contra a memória colectiva dos angolanos”, lê-se na nota.

Para o MPLA, o alargamento expressivo dos espaços de liberdade de expressão de opinião e de manifestação política promovido pelo Executivo não pode servir para acobertar actos que desrespeitam os símbolos nacionais e põem em causa a estabilidade política e a reconciliação entre os angolanos.

Alerta os organizadores e instigadores desse tipo de atitudes e comportamentos anti-sociais para as consequências dos seus actos nos marcos consagrados na Constituição e na lei.

O partido no poder em Angola insta as autoridades a tomarem as devidas medidas no sentido da responsabilização criminal dos autores dos actos vexatórios à figura do Herói Nacional, exortando a juventude angolana a não se deixar instrumentalizar pelos inimigos da paz, da reconciliação e da unidade nacional.

Na sua nota, recomenda aos jovens que, mesmo no exercício do seu direito livre e soberano de manifestação, a pautarem por uma cidadania responsável assente no respeito à diferença e tolerância políticas, convidando as forças vivas da  sociedade a juntos trabalharem na edificação de uma Angola desenvolvida, democrática e inclusiva.

A propósito da vandalização da estátua de Agostinho Neto, localizada no largo 1º de Maio, em Luanda, diversos organismos, entre os quais o GPL e a União dos Jovens Amigos de Agostinho Neto, condenaram também o comportamento dos manifestantes.  

A manifestação, terceira realizada na capital do país entre Novembro e Dezembro, partiu do largo adjacente ao Cemitério da Santa Ana e culminou com marcha até ao largo 1º de Maio.