MPLA saúda mulheres angolanas pelo 2 de Março

  • Feira da Saúde
Luanda - O Bureau Político do MPLA (BP) saúda hoje todas as mulheres angolanas pela sua participação no percurso revolucionário e no processo de preservação da integridade territorial, conquista da paz e consolidação do Estado Democrático e de Direito.

Numa mensagem alusiva ao Dia da Mulher Angolana, que se assina hoje (02 de Março), o partido no poder enaltece as conquistas históricas alcançadas ao nível da igualdade do género e a plena participação feminina no processo de decisão política e nos lugares chaves de liderança, em todos os sectores da vida política, económica, social e cultural de Angola.

Na sua nota, o MPLA pede a consciencialização dos cidadãos para as questões de igualdade do género, do empoderamento e desenvolvimento integral das mulheres e jovens angolanas, bem como da melhoria das suas condições de vida, no quadro da construção de uma Angola mais desenvolvida, democrática e inclusiva.

O BP congratula-se, igualmente, com a luta das mulheres angolanas em prol da sua emancipação contra todas as formas de discriminação, reiterando a predisposição de continuar a velar pelo pleno exercício dos seus direitos, garantias e liberdades fundamentais e valorização do seu papel no seio da família e da sociedade.

A aposta pela edificação de famílias estáveis, o resgate e preservação dos valores éticos e culturais, que não atentem contra os direitos humanos, a igualdade do género e os direitos da mulher e da família, são outras das inúmeras questões focadas no documento.

Por outro lado, exorta os "militantes, simpatizantes e amigos do MPLA a cerrarem fileiras em torno da liderança do Presidente João Lourenço”, encorajando a OMA, organização feminina daquele partido político e a maior do país, a fazer do seu VII Congresso Ordinário uma plataforma política para “avivar a chama dos propósitos que nortearam a sua criação, no sentido de ajudar o partido governante a enfrentar e vencer os próximos desafios políticos e eleitorais".

Em Angola, o dia 02 de Março é consagrado à mulher, em reconhecimento aos feitos históricos de Deolinda Rodrigues, Irene Cohen, Engrácia dos Santos, Teresa Afonso, Lucrécia Paim e outras anónimas, pela luta de resistência contra a ocupação colonial portuguesa.

A jornada “Março-Mulher”/2021 decorre de 01 a 31 do mês em curso, em todo o país, sob o lema: “Mulheres na liderança rumo ao empoderamento económico em tempo de Covid”.

Numa mensagem alusiva ao Dia da Mulher Angolana, que se assina hoje (02 de Março), o partido no poder enaltece as conquistas históricas alcançadas ao nível da igualdade do género e a plena participação feminina no processo de decisão política e nos lugares chaves de liderança, em todos os sectores da vida política, económica, social e cultural de Angola.

Na sua nota, o MPLA pede a consciencialização dos cidadãos para as questões de igualdade do género, do empoderamento e desenvolvimento integral das mulheres e jovens angolanas, bem como da melhoria das suas condições de vida, no quadro da construção de uma Angola mais desenvolvida, democrática e inclusiva.

O BP congratula-se, igualmente, com a luta das mulheres angolanas em prol da sua emancipação contra todas as formas de discriminação, reiterando a predisposição de continuar a velar pelo pleno exercício dos seus direitos, garantias e liberdades fundamentais e valorização do seu papel no seio da família e da sociedade.

A aposta pela edificação de famílias estáveis, o resgate e preservação dos valores éticos e culturais, que não atentem contra os direitos humanos, a igualdade do género e os direitos da mulher e da família, são outras das inúmeras questões focadas no documento.

Por outro lado, exorta os "militantes, simpatizantes e amigos do MPLA a cerrarem fileiras em torno da liderança do Presidente João Lourenço”, encorajando a OMA, organização feminina daquele partido político e a maior do país, a fazer do seu VII Congresso Ordinário uma plataforma política para “avivar a chama dos propósitos que nortearam a sua criação, no sentido de ajudar o partido governante a enfrentar e vencer os próximos desafios políticos e eleitorais".

Em Angola, o dia 02 de Março é consagrado à mulher, em reconhecimento aos feitos históricos de Deolinda Rodrigues, Irene Cohen, Engrácia dos Santos, Teresa Afonso, Lucrécia Paim e outras anónimas, pela luta de resistência contra a ocupação colonial portuguesa.

A jornada “Março-Mulher”/2021 decorre de 01 a 31 do mês em curso, em todo o país, sob o lema: “Mulheres na liderança rumo ao empoderamento económico em tempo de Covid”.