Nfuca Muzemba abandona UNITA

  • Nfuca Muzemba renuncia sua militância na UNITA
Luanda – O antigo secretário-geral da JURA, Nfuca Muzemba, renunciou hoje, quinta-feira, a sua militância na UNITA, partido em que ingressou em 2007.

Em carta enviada à imprensa, o ex-deputado à Assembleia Nacional explicou que a decisão surge após um longo período de afastamento, originado por "sucessivos bloqueios internos".

Segundo o político, as razões da sua renúncia são "meramente pessoais", sublinhando que deixa aquela formação política sem qualquer tipo de mágoa e tristeza.

Mfuca Nfuakaka Muzemba adiantou que tomará, em breve, a decisão de abraçar um novo desafio.

Na sua carta, referiu-se ao seu percurso de luta, forjado na sociedade civil, mormente no Movimento dos Estudantes Angolanos, de que foi o seu primeiro presidente, e a posterior eleição a "chanceler da Associação de Estudantes da Universidade Agostinho Neto", pela Faculdade de Direito.

"Muito cedo mergulhei nas acções e vozes da sociedade civil e igrejas que pugnavam pelo fim da guerra em Angola. Aos 15 anos de idade, estando na cultura hip hop, fui ganhando consciência das minhas responsabilidades para com o país, até que, em 2007, em consciência ingressei na UNITA", argumentou.

Acrescenta que, por força do seu desempenho nesta organização exerceu cargos de elevada responsabilidade política, como a de secretário-geral da JURA, para os quais deu o seu melhor no sentido do engrandecimento do partido e da juventude angolana.

No entanto, salienta que o tempo não é de arrependimento, críticas ou ajustes de contas, mas de renovação de esperanças, porque a vida política aconselha a proceder balanços em cada período e tomar decisões que se julgam adequadas ao contexto.

Formado em Direito, Mfuca Muzemba nasceu em 1981 em Maquela do Zombo (Uíge) e foi o primeiro jovem de origem não ovimbundu a dirigir a organização juvenil da UNITA, desde Samumbwila, o seu patrono e primeiro presidente.

O também antigo deputado da UNITA foi eleito como secretário-geral no congresso de 2010 da JURA, e suspenso em Setembro de 2013, após um processo bastante conturbado da direcção da organização juvenil.

Em carta enviada à imprensa, o ex-deputado à Assembleia Nacional explicou que a decisão surge após um longo período de afastamento, originado por "sucessivos bloqueios internos".

Segundo o político, as razões da sua renúncia são "meramente pessoais", sublinhando que deixa aquela formação política sem qualquer tipo de mágoa e tristeza.

Mfuca Nfuakaka Muzemba adiantou que tomará, em breve, a decisão de abraçar um novo desafio.

Na sua carta, referiu-se ao seu percurso de luta, forjado na sociedade civil, mormente no Movimento dos Estudantes Angolanos, de que foi o seu primeiro presidente, e a posterior eleição a "chanceler da Associação de Estudantes da Universidade Agostinho Neto", pela Faculdade de Direito.

"Muito cedo mergulhei nas acções e vozes da sociedade civil e igrejas que pugnavam pelo fim da guerra em Angola. Aos 15 anos de idade, estando na cultura hip hop, fui ganhando consciência das minhas responsabilidades para com o país, até que, em 2007, em consciência ingressei na UNITA", argumentou.

Acrescenta que, por força do seu desempenho nesta organização exerceu cargos de elevada responsabilidade política, como a de secretário-geral da JURA, para os quais deu o seu melhor no sentido do engrandecimento do partido e da juventude angolana.

No entanto, salienta que o tempo não é de arrependimento, críticas ou ajustes de contas, mas de renovação de esperanças, porque a vida política aconselha a proceder balanços em cada período e tomar decisões que se julgam adequadas ao contexto.

Formado em Direito, Mfuca Muzemba nasceu em 1981 em Maquela do Zombo (Uíge) e foi o primeiro jovem de origem não ovimbundu a dirigir a organização juvenil da UNITA, desde Samumbwila, o seu patrono e primeiro presidente.

O também antigo deputado da UNITA foi eleito como secretário-geral no congresso de 2010 da JURA, e suspenso em Setembro de 2013, após um processo bastante conturbado da direcção da organização juvenil.