Lucala prepara complexo administrativo

Lucala - O município do Lucala, província do Cuanza Norte, é um dos escolhidos para acolher um dos 36 complexos administrativos a serem erguidos no país em circunscrições com falta de infra-estruturas para albergar quadros da administração local.

Com base na estratégia que também visa a criação de condições técnicas, materiais para a realização das autarquias locais e facilitar a mobilidade de quadros, foi lançada quinta-feira a primeira pedra para a construção do futuro complexo administrativo do Lucala.

O lançamento da primeira pedra da infra-estrutura, orçada em um bilião, 95 milhões, 232 mil e 900 kwanzas, coube ao governador da província do Cuanza Norte, Adriano Mendes de Carvalho.

Presente ao acto, a secretária de Estado da Administração do Território, Laurinda Cardoso, precisou que estão previstas a nível da província do Cuanza Norte mais duas infra-estruturas similares nos municípios do Golungo Alto e Samba Cajú.

Para o administrador municipal de Lucala, Mateus André Garcia, a construção do edifício vai ajudar a ultrapassar as dificuldades que as autoridades locais têm encontrado para albergar os quadros transferidos para prestar serviço na região.

Ao apresentar a infra-estrutura, Ailton Narciso, da empresa Dari-Angola, projectista dos edifícios, afirmou que os mesmos estão enquadrados no do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), articulado com o Plano Nacional Estratégico do Ministério da Administração do Território.

O obra do complexo administrativo do Lucala, a ser erguido numa área de 2.263 metros quadrados, tem o prazo de execução de 18 meses e deverá criar 120 empregos directos para os jovens da região.

O futuro complexo, um investimento do Governo angolano, terá um edifício com dois andares e comportará 20 apartamentos, das tipologias T-0, T-1 e T-2, com  rampas de acesso para pessoas com dificuldades de mobilidade.

A estrutura terá mais cinco blocos, onde serão erguidos a zona administrativa, campo polidesportivo, área de apoio e lazer, logística e técnica, assim como um parque de estacionamento com a capacidade para 22 viaturas.

Edificação da Assembleia Municipal Autárquica em Samba Cajú     

Ainda na quinta-feira, a também coordenadora do PIIM, Laurinda Cardoso, testemunhou o lançamento da obra para a edificação da Assembleia Municipal Autárquica no município de Samba Cajú, num acto que contou com a presença da administradora da circunscrição, Ana Bela Dias.

Financiada também pelo PIIM, o edifício, com dois blocos, comporta áreas administrativas, auditórios, secretaria, gabinete do presidente, instalações sanitárias, salas de reuniões, estacionamento, entre outros serviços.

A obra da Assembleia Municipal Autárquica, que será construída numa área de 200 metros quadrados,  está avaliada em 251 milhões, 603 mil kwanzas.

O prazo de execução da obra é de seis meses, tendo criado numa primeira fase 50 postos de trabalho aos jovens da região.

Com base na estratégia que também visa a criação de condições técnicas, materiais para a realização das autarquias locais e facilitar a mobilidade de quadros, foi lançada quinta-feira a primeira pedra para a construção do futuro complexo administrativo do Lucala.

O lançamento da primeira pedra da infra-estrutura, orçada em um bilião, 95 milhões, 232 mil e 900 kwanzas, coube ao governador da província do Cuanza Norte, Adriano Mendes de Carvalho.

Presente ao acto, a secretária de Estado da Administração do Território, Laurinda Cardoso, precisou que estão previstas a nível da província do Cuanza Norte mais duas infra-estruturas similares nos municípios do Golungo Alto e Samba Cajú.

Para o administrador municipal de Lucala, Mateus André Garcia, a construção do edifício vai ajudar a ultrapassar as dificuldades que as autoridades locais têm encontrado para albergar os quadros transferidos para prestar serviço na região.

Ao apresentar a infra-estrutura, Ailton Narciso, da empresa Dari-Angola, projectista dos edifícios, afirmou que os mesmos estão enquadrados no do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), articulado com o Plano Nacional Estratégico do Ministério da Administração do Território.

O obra do complexo administrativo do Lucala, a ser erguido numa área de 2.263 metros quadrados, tem o prazo de execução de 18 meses e deverá criar 120 empregos directos para os jovens da região.

O futuro complexo, um investimento do Governo angolano, terá um edifício com dois andares e comportará 20 apartamentos, das tipologias T-0, T-1 e T-2, com  rampas de acesso para pessoas com dificuldades de mobilidade.

A estrutura terá mais cinco blocos, onde serão erguidos a zona administrativa, campo polidesportivo, área de apoio e lazer, logística e técnica, assim como um parque de estacionamento com a capacidade para 22 viaturas.

Edificação da Assembleia Municipal Autárquica em Samba Cajú     

Ainda na quinta-feira, a também coordenadora do PIIM, Laurinda Cardoso, testemunhou o lançamento da obra para a edificação da Assembleia Municipal Autárquica no município de Samba Cajú, num acto que contou com a presença da administradora da circunscrição, Ana Bela Dias.

Financiada também pelo PIIM, o edifício, com dois blocos, comporta áreas administrativas, auditórios, secretaria, gabinete do presidente, instalações sanitárias, salas de reuniões, estacionamento, entre outros serviços.

A obra da Assembleia Municipal Autárquica, que será construída numa área de 200 metros quadrados,  está avaliada em 251 milhões, 603 mil kwanzas.

O prazo de execução da obra é de seis meses, tendo criado numa primeira fase 50 postos de trabalho aos jovens da região.