Oficial comissário reconhece haver dificuldades na Polícia Fiscal

  • Meios Apreendidos pela Polícia Fiscal Policial
Lobito – O segundo comandante da Polícia Nacional em Benguela, sub-comissário Ernesto Haiyamunye, admitiu esta segunda-feira, no Lobito, a existência de dificuldades na Polícia Fiscal e Aduaneira em termos de efectivo, infra-estruturas e meios de trabalho.

Falando no âmbito do 25º aniversário da Polícia Fiscal, a celebrar-se no dia 12 de Julho, Ernesto Haiyamunye exortou o efectivo a intensificar as acções de fiscalização, para impedir a fuga ao fisco por parte dos importadores e outros agentes económicos.

“A Polícia Fiscal deve aprimorar a actuação na fiscalização aduaneira, de maneira a tornar-se numa especialidade de referência no combate à imigração ilegal, às transgressões cambiais e violações das normas marítimas e de pesca, que provocam prejuízos incalculáveis aos cofres do Estado”, afirmou.

Por sua vez, o comandante provincial da Unidade da Polícia Fiscal, João Tchitumbi, alertou os efectivos as dificuldades não devem perturbar o desempenho dos quadros.

Referindo-se às restrições provocadas pela Covid-19, que afectaram todas as estruturas da sociedade, disse que a pandemia não pode servir de justificação ao ponto de influenciar negativamente a prontidão do pessoal.

 

Falando no âmbito do 25º aniversário da Polícia Fiscal, a celebrar-se no dia 12 de Julho, Ernesto Haiyamunye exortou o efectivo a intensificar as acções de fiscalização, para impedir a fuga ao fisco por parte dos importadores e outros agentes económicos.

“A Polícia Fiscal deve aprimorar a actuação na fiscalização aduaneira, de maneira a tornar-se numa especialidade de referência no combate à imigração ilegal, às transgressões cambiais e violações das normas marítimas e de pesca, que provocam prejuízos incalculáveis aos cofres do Estado”, afirmou.

Por sua vez, o comandante provincial da Unidade da Polícia Fiscal, João Tchitumbi, alertou os efectivos as dificuldades não devem perturbar o desempenho dos quadros.

Referindo-se às restrições provocadas pela Covid-19, que afectaram todas as estruturas da sociedade, disse que a pandemia não pode servir de justificação ao ponto de influenciar negativamente a prontidão do pessoal.