OMA aposta no fortalecimento das bases

  • Secretária-geral da OMA, Joana Tomás
Ondjiva - A secretária geral da OMA, Joana Tomás, disse hoje, em Ondjiva, província do Cunene, ser aposta do seu mandato o fortalecimento das estruturas de base, tendo em vista as eleições gerais de 2022.

A responsável, que falava no acto de abertura do primeiro encontro regional sul da OMA, sublinhou que para aumentar o número de militantes, bem como vencer os desafios eleitorais é necessário descer até às bases e subir com elas.

“Tudo deve começar na base, pois é aí onde há a verdadeira sustentabilidade de qualquer organização e a OMA não foge a regra”, realçou.

Joana Tomás disse que o trabalho é o único meio para surpreender os opositores do partido, e “quando assustarem já estão vencidas as eleições gerais de 2022”.

Por outro lado, vincou que a organização deve continuar ainda dar maior atenção às questões sociais, como o combate à violência doméstica, analfabetismo e a desestruturação da família.

Sobre a igualdade do género, avançou que continua ser uma luta permanente, para que as mulheres assumam posicionamentos de destaques em várias esferas da vida social, tal como no MPLA.

Encorajou as  participantes no encontro para uma discussão frontal dos assuntos agendados, visando  o fortalecimento da OMA a nível da região sul do país.

No encontro, de um dia, estão a participar os secretariados da Huíla, Cunene e Namibe, tendo em agenda o processo de alfabetização, funcionamento dos centros de aconselhamento jurídico, tecnologias de informação, organização e mobilização.

A secretaria-geral da OMA cumpre, desde sexta-feira última, um programa de visita de quatro dias ao Cunene, tendo já trabalhado nos municípios do Curoca, Cuanhama e Namacunde, onde inteirou-se do funcionamento das estruturas da organização.

No Curoca, ofereceu um lanche as crianças desfavorecidas e procedeu a entrega de bens alimentares para acudir a população vítima da seca.
 

A responsável, que falava no acto de abertura do primeiro encontro regional sul da OMA, sublinhou que para aumentar o número de militantes, bem como vencer os desafios eleitorais é necessário descer até às bases e subir com elas.

“Tudo deve começar na base, pois é aí onde há a verdadeira sustentabilidade de qualquer organização e a OMA não foge a regra”, realçou.

Joana Tomás disse que o trabalho é o único meio para surpreender os opositores do partido, e “quando assustarem já estão vencidas as eleições gerais de 2022”.

Por outro lado, vincou que a organização deve continuar ainda dar maior atenção às questões sociais, como o combate à violência doméstica, analfabetismo e a desestruturação da família.

Sobre a igualdade do género, avançou que continua ser uma luta permanente, para que as mulheres assumam posicionamentos de destaques em várias esferas da vida social, tal como no MPLA.

Encorajou as  participantes no encontro para uma discussão frontal dos assuntos agendados, visando  o fortalecimento da OMA a nível da região sul do país.

No encontro, de um dia, estão a participar os secretariados da Huíla, Cunene e Namibe, tendo em agenda o processo de alfabetização, funcionamento dos centros de aconselhamento jurídico, tecnologias de informação, organização e mobilização.

A secretaria-geral da OMA cumpre, desde sexta-feira última, um programa de visita de quatro dias ao Cunene, tendo já trabalhado nos municípios do Curoca, Cuanhama e Namacunde, onde inteirou-se do funcionamento das estruturas da organização.

No Curoca, ofereceu um lanche as crianças desfavorecidas e procedeu a entrega de bens alimentares para acudir a população vítima da seca.