ONU apoia Angola no combate à sinistralidade rodoviária

  • Acidente de viação na EN120, Quibala/Cuanza Sul, causa três mortes
Luanda – As agências das Nações Unidas, em parceria com o sector privado, pretendem trabalhar com o Executivo angolano na resolução da problemática da sinistralidade rodoviária, informou, esta terça-feira, em Luanda, o enviado especial do secretário-geral da ONU para a Segurança Rodoviária, Jean Todt.

De acordo com o também presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), que falava durante um encontro com o secretário de Estado para a Cooperação Internacional e Comunidades Angolanas, Domingos Vieira Lopes, a sinistralidade rodoviária tem causado inúmeras vítimas em todo o mundo.

Trata-se da segunda causa de morte em Angola, que já provocou, só no primeiro trimestre deste ano, pelos menos 599 vítimas mortais e três mil feridos, em consequência de dois mil e 890 acidentes de viação.

Segundo o balanço do Conselho Nacional de Viação e Ordenamento do Trânsito, em relação ao igual período de 2020, registou-se um aumento de 53 óbitos, 172 feridos e 111 acidentes.

“Essa minha visita tem a finalidade de reconhecer a situação rodoviária no país e coloquei-me à disposição, com as agências das Nações Unidas e o sector privado, para trabalhar com Angola na resolução da sinistralidade rodoviária”, salientou.

Durante a estadia em Angola, para além de manter encontros de trabalho com autoridades desportivas e políticas no país, a entidade máxima do desporto mundial vai proceder ao lançamento, quarta-feira, da primeira pedra para a construção de um autódromo, no Distrito de Cabo Ledo, município de Icolo e Bengo.

De acordo com o também presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), que falava durante um encontro com o secretário de Estado para a Cooperação Internacional e Comunidades Angolanas, Domingos Vieira Lopes, a sinistralidade rodoviária tem causado inúmeras vítimas em todo o mundo.

Trata-se da segunda causa de morte em Angola, que já provocou, só no primeiro trimestre deste ano, pelos menos 599 vítimas mortais e três mil feridos, em consequência de dois mil e 890 acidentes de viação.

Segundo o balanço do Conselho Nacional de Viação e Ordenamento do Trânsito, em relação ao igual período de 2020, registou-se um aumento de 53 óbitos, 172 feridos e 111 acidentes.

“Essa minha visita tem a finalidade de reconhecer a situação rodoviária no país e coloquei-me à disposição, com as agências das Nações Unidas e o sector privado, para trabalhar com Angola na resolução da sinistralidade rodoviária”, salientou.

Durante a estadia em Angola, para além de manter encontros de trabalho com autoridades desportivas e políticas no país, a entidade máxima do desporto mundial vai proceder ao lançamento, quarta-feira, da primeira pedra para a construção de um autódromo, no Distrito de Cabo Ledo, município de Icolo e Bengo.