Polícia Nacional exortada a ser espelho da sociedade

  • Policia Nacional comemora 45º aniversário
Luanda – Os governadores das províncias do Zaire e do Cuando Cubango, Pedro Makita Júlia e Júlio Bessa, respectivamente, exortaram, domingo, os agentes da autoridade a servirem de exemplo aos demais cidadãos angolanos.

Na opinião dos dois governantes, que falavam em actos relativos aos 45 anos da existência da Polícia Nacional, a manutenção da ordem e da tranquilidade pública depende do envolvimento de todos os angolanos, sem excepção.

Pedro Makita Júlia exemplificou, na ocasião, que nesta época da pandemia da Covid-19, o polícia deve ser o primeiro a respeitar as medidas de protecção individual e colectivas emanadas pelas autoridades competentes, antes de persuadir o cidadão a fazê-lo.

Condenou aquilo a que considerou como certos comportamentos indecorosos de alguns membros da corporação, que aproveitam a sua condição de autoridade para extorquir dinheiro ou outros bens aos pacatos cidadãos.

Igualmente, apelou ao combate contínuo deste tipo de comportamento, assim como da corrupção, da burla, do compadrio, do favoritismo e outros vícios que mancham o nome da Polícia Nacional.

Defendeu ainda o apetrechamento do comando local da Polícia Nacional com infra-estruturas e meios adequados, para melhor enfrentar o fenómeno da imigração ilegal, contrabando de combustível, tráfico de seres humanos, entre outros crimes, na fronteira com a República Democrática do Congo (RDC).

Para Pedro Makita Armando Júlia, a valorização dos efectivos da PN, que se consubstancia na sua contínua preparação técnico-profissional e criação de condições sociais e laborais, afigura-se também fundamental para o êxito das suas missões.

Por seu turno, o governador do Cuando Cubango destacou o empenho da PN local na manutenção da ordem e tranquilidade públicas, controlo da imigração ilegal e outros delitos, bem como no combate à caça furtiva, exploração ilegal da madeira e de demais recursos naturais.

Júlio Bessa afirmou que sempre manteve a sua determinação, coragem, sentido patriótico e espírito de missão, estando cada vez mais próximos do povo, para o fortalecimento de segurança e tranquilidade.

Com empenho, disse, o governo tem observado uma redução substancial do índice de criminalidade, actos de vandalização dos bens públicos por pessoas de má fé na província, encorajando firmeza nas tarefas operativos, para a garantia dos cidadãos, do seu património e dos bens públicos.

Para Júlio Bessa, a segurança das populações não deve ser apenas uma preocupação da Polícia Nacional, pelo defendeu a necessidade da contínua sensibilização dos cidadãos para a devida colaboração.      

Já no Uíge, o Comando Provincial da Polícia Nacional perspectiva, para este ano, o reforço do policiamento de proximidade, continuidade das acções de especialização e reciclagem dos efectivos, para aumentar o sentimento de segurança à população.

O comandante provincial da Polícia Nacional no Uíge, Monteiro dos Santos, avançou que o plano incluiu, igualmente, dar continuidade ao processo de desarmamento da população civil, realizar acções que visam garantir a protecção e fiscalização fronteiriça.

Sobre a criminalidade na província do Uíge, o comissário disse que, em 2020, registou-se uma redução de 315 casos (20 %), em relação ao ano 2019, mesmo assim a polícia local vai trabalhar para que reduza cada vez mais, bem como a sinistralidade rodoviária.  

O oficial destacou, por outro lado, o papel importante dos efectivos da Policia Nacional para a sensibilização da população para o cumprimento das medidas preventivas de combate à Covid-19.

Na opinião dos dois governantes, que falavam em actos relativos aos 45 anos da existência da Polícia Nacional, a manutenção da ordem e da tranquilidade pública depende do envolvimento de todos os angolanos, sem excepção.

Pedro Makita Júlia exemplificou, na ocasião, que nesta época da pandemia da Covid-19, o polícia deve ser o primeiro a respeitar as medidas de protecção individual e colectivas emanadas pelas autoridades competentes, antes de persuadir o cidadão a fazê-lo.

Condenou aquilo a que considerou como certos comportamentos indecorosos de alguns membros da corporação, que aproveitam a sua condição de autoridade para extorquir dinheiro ou outros bens aos pacatos cidadãos.

Igualmente, apelou ao combate contínuo deste tipo de comportamento, assim como da corrupção, da burla, do compadrio, do favoritismo e outros vícios que mancham o nome da Polícia Nacional.

Defendeu ainda o apetrechamento do comando local da Polícia Nacional com infra-estruturas e meios adequados, para melhor enfrentar o fenómeno da imigração ilegal, contrabando de combustível, tráfico de seres humanos, entre outros crimes, na fronteira com a República Democrática do Congo (RDC).

Para Pedro Makita Armando Júlia, a valorização dos efectivos da PN, que se consubstancia na sua contínua preparação técnico-profissional e criação de condições sociais e laborais, afigura-se também fundamental para o êxito das suas missões.

Por seu turno, o governador do Cuando Cubango destacou o empenho da PN local na manutenção da ordem e tranquilidade públicas, controlo da imigração ilegal e outros delitos, bem como no combate à caça furtiva, exploração ilegal da madeira e de demais recursos naturais.

Júlio Bessa afirmou que sempre manteve a sua determinação, coragem, sentido patriótico e espírito de missão, estando cada vez mais próximos do povo, para o fortalecimento de segurança e tranquilidade.

Com empenho, disse, o governo tem observado uma redução substancial do índice de criminalidade, actos de vandalização dos bens públicos por pessoas de má fé na província, encorajando firmeza nas tarefas operativos, para a garantia dos cidadãos, do seu património e dos bens públicos.

Para Júlio Bessa, a segurança das populações não deve ser apenas uma preocupação da Polícia Nacional, pelo defendeu a necessidade da contínua sensibilização dos cidadãos para a devida colaboração.      

Já no Uíge, o Comando Provincial da Polícia Nacional perspectiva, para este ano, o reforço do policiamento de proximidade, continuidade das acções de especialização e reciclagem dos efectivos, para aumentar o sentimento de segurança à população.

O comandante provincial da Polícia Nacional no Uíge, Monteiro dos Santos, avançou que o plano incluiu, igualmente, dar continuidade ao processo de desarmamento da população civil, realizar acções que visam garantir a protecção e fiscalização fronteiriça.

Sobre a criminalidade na província do Uíge, o comissário disse que, em 2020, registou-se uma redução de 315 casos (20 %), em relação ao ano 2019, mesmo assim a polícia local vai trabalhar para que reduza cada vez mais, bem como a sinistralidade rodoviária.  

O oficial destacou, por outro lado, o papel importante dos efectivos da Policia Nacional para a sensibilização da população para o cumprimento das medidas preventivas de combate à Covid-19.