Chefe de Estado abordou Covid-19 com embaixador chinês

  • Presidente da República, João Lourenço, recebe embaixador da China em Angola
Luanda – O reforço da cooperação para o combate a Covid-19 dominou, nesta terça-feira, a audiência que o Chefe de Estado, João Lourenço, concedeu ao embaixador da China em Angola, Gong Tao.

Em declarações à imprensa, Gong Tao informou que. a par da análise da cooperação política, económica, comercial e investimentos, há disponibilidade de continuar a apoiar os esforços de Angola e da comunidade internacional no combate à doença.

Angola recebeu, quinta-feira, 200 mil doses da vacina Sinopharm contra a Covid-19, do Instituto Biológico de Pequim, doadas pelo Governo da China e que vão ser distribuídas por algumas províncias do país.

Enalteceu a abertura de Angola no acesso à vacina chinesa no âmbito dos acordos bilaterais ou da iniciativa Covax, promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que visa essencialmente garantir acesso equitativo aos meios imunológicos contra a pandemia aos países em desenvolvimento.

Sublinhou que o seu país já contribuiu com mais de seis milhões de doses para a iniciativa Covax.

Gong Tao elogiou também “os bons resultados” alcançados pelo governo angolano nos domínios económico e social, bem como na melhoria do ambiente de negócios para a atração de investimentos externos.

O diplomata manifestou o desejo de ver reforçada a cooperação nas áreas da indústria, comércio, infra-estruturas, agricultura, informática, agro-pecuária e formação de quadros.

Em declarações à imprensa, Gong Tao informou que. a par da análise da cooperação política, económica, comercial e investimentos, há disponibilidade de continuar a apoiar os esforços de Angola e da comunidade internacional no combate à doença.

Angola recebeu, quinta-feira, 200 mil doses da vacina Sinopharm contra a Covid-19, do Instituto Biológico de Pequim, doadas pelo Governo da China e que vão ser distribuídas por algumas províncias do país.

Enalteceu a abertura de Angola no acesso à vacina chinesa no âmbito dos acordos bilaterais ou da iniciativa Covax, promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que visa essencialmente garantir acesso equitativo aos meios imunológicos contra a pandemia aos países em desenvolvimento.

Sublinhou que o seu país já contribuiu com mais de seis milhões de doses para a iniciativa Covax.

Gong Tao elogiou também “os bons resultados” alcançados pelo governo angolano nos domínios económico e social, bem como na melhoria do ambiente de negócios para a atração de investimentos externos.

O diplomata manifestou o desejo de ver reforçada a cooperação nas áreas da indústria, comércio, infra-estruturas, agricultura, informática, agro-pecuária e formação de quadros.