PR deixa Ankara rumo a Conakry

  • PR deixa Ankara rumo a Conakry
Ankara (dos enviados especiais) - O Chefe de Estado, João Lourenço, deixou esta quinta-feira a cidade de Ankara (Turquia), rumo a Conakry, capital da República da Guiné, para uma visita de Estado, nos dias 30 e 31 do corrente mês.

João Lourenço, que partiu às 09h10 locais, 07h10 em Angola, cumpriu uma intensa jornada de trabalho na capital turca, no quadro da sua primeira visita de Estado a Turquia, virada para o reforço da cooperação entre os dois países.

A missão de João Lourenço centrou-se, essencialmente, na avaliação de todo o quadro de cooperação bilateral e na identificação de novos investimentos.

Durante dois dias (27 e 28 de Julho), o Presidente da República encetou contactos com altas entidades do Estado turco e influentes homens de negócios, aos quais apresentou a visão de Angola sobre os novos rumos da cooperação bilateral.

Nessa visita à Turquia, primeira de um Chefe de Estado angolano desde o início das relações diplomáticas na década de 80, João Lourenço falou das reformas económicas em curso em Angola e do seu impacto na melhoria do ambiente de negócios.

O estadista apresentou, em detalhe, toda a legislação criada pelo seu Governo, para melhorar o ambiente de negócios e proteger os investimentos, tendo assegurado aos turcos que Angola é, nesta altura, um bom mercado para se investir.

A sua agenda de trabalho contemplou um encontro com o seu homólogo da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, com quem abordou sobre a necessidade de aprofundamente da base de cooperação e alargamento a novos sectores.

O encontro entre os dois estadistas abriu caminho às conversações entre as duas delegações oficiais, que resultaram na assinatura de 10 importantes diplomas, considerados, pelas partes, fulcrais para a melhoria do intercâmbio comercial, político, económico e diplomático dos dois Estados.

Nova era de cooperação

Foram assinados acordos em vários domínios, com destaque para o económico, comercial e diplomático, que as duas delegações consideram estratégicos e mutuamente vantajosos.

Com efeito, as partes rubricaram um Acordo sobre Isenção de Vistos em Passaportes Diplomáticos, de Serviço e Especiais, para facilitar as trocas comerciais, fomentar o turismo e a assegurar a entrada e saída regular de eventuais investidores.

Foi, também, assinado um Memorando de Entendimento sobre o Estabelecimento do Mecanismo de Consultas Políticas, entre os ministérios das Relações Exteriores de Angola e dos Negócios Estrangeiros da  Turquia.

De igual modo, rubricou-se um Memorando de Entendimento entre as academias diplomáticas dos ministérios das Relações Exteriores de Angola e dos Negócios Estrangeiros da República da Turquia.

Outro diploma assinado foi o Acordo para a Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos entre os dois países, assim como o Memorando de Entendimento entre o Instituto Nacional de Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas de Angola (INAPEM) e a Organização de Desenvolvimento de Pequenas e Médias Empresas da Turquia.

Outro Memorando de Entendimento foi assinado entre os ministérios dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás de Angola e o da Energia e Recursos Naturais da Turquia, sobre a cooperação nos domínios dos hidrocarbonetos e mineiro.

No mesmo sentido, rubricou-se um Memorando de Entendimento entre os ministérios angolano da Energia e Águas e o da Energia e Recursos Naturais da Turquia sobre a cooperação nos domínios das energias renováveis e da eficiência energética.

Foi ainda apreciado um Protocolo de Cooperação entre a Televisão Pública de Angola (TPA) e a Corporação de Rádio e Televisão da Turquia (TRT), bem como um Processo Verbal da 2.ª Sessão da Comissão Conjunta sobre Cooperação Comercial, Económica e Técnica Angola–Turquia.

A Angop apurou que ficou por assinar o Acordo de Serviços Aéreos, entre os dois governos, que estabelece as bases para a efectivação da rota Luanda/Instambul, a ser operada, a partir de Outubro, pela Turkish Airlines.

Este último diploma foi um dos mais referenciados pelos empresários e pelas delegações oficiais dos dois países, que consideram um marco importante para a nova era da cooperação entre os Estados.

Ainda no quadro da assinatura de instrumentos jurídicos, para a melhoria da base de cooperação, foi assinado, pelo Conselho de Relações Económicas com o Exterior da Turquia (DEIK) e pela Agência de Investimentos Privado e Produção das Exportações (AIPEX), um Acordo para a criação de um conselho de negócios.

O instrumento, segundo o presidente da AIPEX, António Henriques da Silva, está a ser criado para proporcionar maior aproximação entre o sector empresarial turco e angolano, através das duas agências encarregues de lidarem com o investimento privado.

Segundo António Henriques da Silva, o instrumento jurídico visa, na actual dinâmica, a materialização de encontros na Turquia e em Angola, de maneira intercalada, pelo menos duas vezes por ano.

Fórum discutiu parcerias estratégicas

Outro ponto marcante da agenda oficial do Presidente João Lourenço foi a participação no Fórum Empresarial Angola-Turquia, que abordou as diferentes vantagens e oportunidades de negócios existentes nos dois Estados.

O Chefe de Estado afirmou que Angola pretende fortalecer as relações económicas, financeiras e empresariais com a Turquia, para estabelecer as bases de uma cooperação estratégica, adiantando ser pretensão atrair para o país mais investidores, que tragam capital financeiro, tecnologia avançada e conhecimento, a fim de se aumentar, com rapidez e eficiência, a produção de bens e serviços.

João Lourenço falou das vantagens reais de se investir em Angola, das principais áreas em que se pode contar com o investimento privado da Turquia, e do que os angolanos pretendem, de facto, nesta parceria estratégica com os turcos.

Durante o evento, o presidente do Conselho de Relações Económicas com o Exterior da Turquia (DEIK), Nail Olpak, anunciou um aumento da balança comercial com Angola, estimado em USD 500 milhões.

O responsável disse que a balança comercial entre ambos os Estados está cifrada em USD 178 milhões, tendo reconhecido que o comércio bilateral entre angolanos e turcos ainda não mostra o potencial real dos dois países.

Entretanto, no último dia da missão oficial, o Estadista angolano reuniu-se com sete influentes homens de negócios da Turquia, que manifestaram interesse em investir em diferentes áreas em Angola.

Angola e a Turquia têm relações diplomáticas desde 1980 e cooperam, com regularidade, em áreas como o comércio, agricultura, educação, cultura, defesa, justiça e desporto.

Segundo as autoridades dos dois Estados, as relações ainda não estão no nível desejado, mas mostraram-se esperançadas de que a cooperação conheça novos rumos em breve.

Dados referentes ao período de 2006 a 2020 indicam que empresas turcas empregaram 22,55 milhões de USD, em 16 projectos implantados nas províncias de Luanda e Uíge, nos domínios da indústria, comércio, educação e construção civil, permitindo a criação de 123 postos de trabalho, de acordo com números apresentados, recentemente, pela AIPEX.

João Lourenço, que partiu às 09h10 locais, 07h10 em Angola, cumpriu uma intensa jornada de trabalho na capital turca, no quadro da sua primeira visita de Estado a Turquia, virada para o reforço da cooperação entre os dois países.

A missão de João Lourenço centrou-se, essencialmente, na avaliação de todo o quadro de cooperação bilateral e na identificação de novos investimentos.

Durante dois dias (27 e 28 de Julho), o Presidente da República encetou contactos com altas entidades do Estado turco e influentes homens de negócios, aos quais apresentou a visão de Angola sobre os novos rumos da cooperação bilateral.

Nessa visita à Turquia, primeira de um Chefe de Estado angolano desde o início das relações diplomáticas na década de 80, João Lourenço falou das reformas económicas em curso em Angola e do seu impacto na melhoria do ambiente de negócios.

O estadista apresentou, em detalhe, toda a legislação criada pelo seu Governo, para melhorar o ambiente de negócios e proteger os investimentos, tendo assegurado aos turcos que Angola é, nesta altura, um bom mercado para se investir.

A sua agenda de trabalho contemplou um encontro com o seu homólogo da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, com quem abordou sobre a necessidade de aprofundamente da base de cooperação e alargamento a novos sectores.

O encontro entre os dois estadistas abriu caminho às conversações entre as duas delegações oficiais, que resultaram na assinatura de 10 importantes diplomas, considerados, pelas partes, fulcrais para a melhoria do intercâmbio comercial, político, económico e diplomático dos dois Estados.

Nova era de cooperação

Foram assinados acordos em vários domínios, com destaque para o económico, comercial e diplomático, que as duas delegações consideram estratégicos e mutuamente vantajosos.

Com efeito, as partes rubricaram um Acordo sobre Isenção de Vistos em Passaportes Diplomáticos, de Serviço e Especiais, para facilitar as trocas comerciais, fomentar o turismo e a assegurar a entrada e saída regular de eventuais investidores.

Foi, também, assinado um Memorando de Entendimento sobre o Estabelecimento do Mecanismo de Consultas Políticas, entre os ministérios das Relações Exteriores de Angola e dos Negócios Estrangeiros da  Turquia.

De igual modo, rubricou-se um Memorando de Entendimento entre as academias diplomáticas dos ministérios das Relações Exteriores de Angola e dos Negócios Estrangeiros da República da Turquia.

Outro diploma assinado foi o Acordo para a Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos entre os dois países, assim como o Memorando de Entendimento entre o Instituto Nacional de Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas de Angola (INAPEM) e a Organização de Desenvolvimento de Pequenas e Médias Empresas da Turquia.

Outro Memorando de Entendimento foi assinado entre os ministérios dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás de Angola e o da Energia e Recursos Naturais da Turquia, sobre a cooperação nos domínios dos hidrocarbonetos e mineiro.

No mesmo sentido, rubricou-se um Memorando de Entendimento entre os ministérios angolano da Energia e Águas e o da Energia e Recursos Naturais da Turquia sobre a cooperação nos domínios das energias renováveis e da eficiência energética.

Foi ainda apreciado um Protocolo de Cooperação entre a Televisão Pública de Angola (TPA) e a Corporação de Rádio e Televisão da Turquia (TRT), bem como um Processo Verbal da 2.ª Sessão da Comissão Conjunta sobre Cooperação Comercial, Económica e Técnica Angola–Turquia.

A Angop apurou que ficou por assinar o Acordo de Serviços Aéreos, entre os dois governos, que estabelece as bases para a efectivação da rota Luanda/Instambul, a ser operada, a partir de Outubro, pela Turkish Airlines.

Este último diploma foi um dos mais referenciados pelos empresários e pelas delegações oficiais dos dois países, que consideram um marco importante para a nova era da cooperação entre os Estados.

Ainda no quadro da assinatura de instrumentos jurídicos, para a melhoria da base de cooperação, foi assinado, pelo Conselho de Relações Económicas com o Exterior da Turquia (DEIK) e pela Agência de Investimentos Privado e Produção das Exportações (AIPEX), um Acordo para a criação de um conselho de negócios.

O instrumento, segundo o presidente da AIPEX, António Henriques da Silva, está a ser criado para proporcionar maior aproximação entre o sector empresarial turco e angolano, através das duas agências encarregues de lidarem com o investimento privado.

Segundo António Henriques da Silva, o instrumento jurídico visa, na actual dinâmica, a materialização de encontros na Turquia e em Angola, de maneira intercalada, pelo menos duas vezes por ano.

Fórum discutiu parcerias estratégicas

Outro ponto marcante da agenda oficial do Presidente João Lourenço foi a participação no Fórum Empresarial Angola-Turquia, que abordou as diferentes vantagens e oportunidades de negócios existentes nos dois Estados.

O Chefe de Estado afirmou que Angola pretende fortalecer as relações económicas, financeiras e empresariais com a Turquia, para estabelecer as bases de uma cooperação estratégica, adiantando ser pretensão atrair para o país mais investidores, que tragam capital financeiro, tecnologia avançada e conhecimento, a fim de se aumentar, com rapidez e eficiência, a produção de bens e serviços.

João Lourenço falou das vantagens reais de se investir em Angola, das principais áreas em que se pode contar com o investimento privado da Turquia, e do que os angolanos pretendem, de facto, nesta parceria estratégica com os turcos.

Durante o evento, o presidente do Conselho de Relações Económicas com o Exterior da Turquia (DEIK), Nail Olpak, anunciou um aumento da balança comercial com Angola, estimado em USD 500 milhões.

O responsável disse que a balança comercial entre ambos os Estados está cifrada em USD 178 milhões, tendo reconhecido que o comércio bilateral entre angolanos e turcos ainda não mostra o potencial real dos dois países.

Entretanto, no último dia da missão oficial, o Estadista angolano reuniu-se com sete influentes homens de negócios da Turquia, que manifestaram interesse em investir em diferentes áreas em Angola.

Angola e a Turquia têm relações diplomáticas desde 1980 e cooperam, com regularidade, em áreas como o comércio, agricultura, educação, cultura, defesa, justiça e desporto.

Segundo as autoridades dos dois Estados, as relações ainda não estão no nível desejado, mas mostraram-se esperançadas de que a cooperação conheça novos rumos em breve.

Dados referentes ao período de 2006 a 2020 indicam que empresas turcas empregaram 22,55 milhões de USD, em 16 projectos implantados nas províncias de Luanda e Uíge, nos domínios da indústria, comércio, educação e construção civil, permitindo a criação de 123 postos de trabalho, de acordo com números apresentados, recentemente, pela AIPEX.