PR inaugura nova sede do Arquivo Nacional

  • Presidente da  República, João Lourenço, inaugura Arquivo Nacional de Angola. Momento do corte da fita.
  • Presidente da República, João Lourenço, observa maquete do Arquivo Nacional de Angola
  • Presidente da  República, João Lourenço, inaugura Arquivo Nacional de Angola. Momento do corte da fita.
  • Presidente da República, João Lourenço, visita instalações do Arquivo Nacional de Angola
  • Presidente da República, João Lourenço, inteira-se do arquivo
  • Acompanhado da Primeira dama, Ana Dias Lourenço, Presidente João Lourenço visita instalações do Arquivo Nacional de Angola
  • vista frontal do Arquivo Nacional
  • Vista Frontal  do Edificio do Arquivo Nacional de Angola
Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, inaugurou, este sábado, a nova sede do Arquivo Nacional de Angola (ANA), que orçou em 97 milhões de Dólares.

Após o corte da fita e descerramento da placa, o Titular do Poder Executivo, acompanhado da primeira dama da República, Ana Dias Lourenço, efectuou uma visita guiada às modernas instalações.

A nova estrutura, localizada na Camama, começou a ser erguida em 2008, numa área de quatro hectares e tem 30.540 metros quadrados de construção.

O novo edificio do Arquivo Nacional de Angola, com cinco pisos, alberga 69 salas de arquivo, três de exposições e nove de formação, 39 escritórios, dois laboratórios, dois auditórios, entre outras dependências.

Com um orçamento inicial de 72 milhões de Dólares, a obra sofreu um incremento de 25 milhões, destinados às acções de inter-ligação da rede de energia, água, ajustes finais e apetrechamento.

O edifício surge no âmbito da concretização da agenda do Plano de Desenvolvimento Nacional, que prevê na área da Cultura, entre outros objectivos, a implementação do Sistema Nacional de Arquivos.

A infra-estrutura vai permitir a correcta melhoria da acomodação da documentação existente nas antigas instalações do Arquivo Nacional de Angola, bem como a incorporação dos documentos produzidos depois de 1975, pelos Órgãos de Soberania.

Os arquivos serão transferidos para as novas instalações, com o propósito de melhorar a conservação e qualidade de serviços, incluindo o acesso de investigadores e estudantes ao seu acervo.

O Arquivo Nacional de Angola é um instituto público dotado de personalidade jurídica, autonomia administrativa, financeira e patrimonial, que tem como missão coordenar a política arquivística nacional e avaliar, recolher, classificar, conservar e divulgar os documentos de valor arquivístico e histórico.

Criado ao abrigo do Decreto nº 51/09, de 16 de Setembro de 2009 do Conselho de Ministros, o Arquivo Nacional tem ainda as funções de formular as directrizes gerais e supervisionar metodologicamente o funcionamento do Sistema Nacional de Arquivo.

Até a sua afirmação como instituição do Estado angolano, garante da preservação de todo património arquivistico do país, há uma longa trajetória, de que se reportam as mudanças operadas nos serviços de arquivos ao longo dos tempos.

Em Abril de 1977 foi criado o Centro Nacional de Documentação e Investigação Histórica, instituição que se ocupou da problemática dos Arquivos e, por tal, herdou todo o acervo do então Arquivo Histórico de Angola.

Após o corte da fita e descerramento da placa, o Titular do Poder Executivo, acompanhado da primeira dama da República, Ana Dias Lourenço, efectuou uma visita guiada às modernas instalações.

A nova estrutura, localizada na Camama, começou a ser erguida em 2008, numa área de quatro hectares e tem 30.540 metros quadrados de construção.

O novo edificio do Arquivo Nacional de Angola, com cinco pisos, alberga 69 salas de arquivo, três de exposições e nove de formação, 39 escritórios, dois laboratórios, dois auditórios, entre outras dependências.

Com um orçamento inicial de 72 milhões de Dólares, a obra sofreu um incremento de 25 milhões, destinados às acções de inter-ligação da rede de energia, água, ajustes finais e apetrechamento.

O edifício surge no âmbito da concretização da agenda do Plano de Desenvolvimento Nacional, que prevê na área da Cultura, entre outros objectivos, a implementação do Sistema Nacional de Arquivos.

A infra-estrutura vai permitir a correcta melhoria da acomodação da documentação existente nas antigas instalações do Arquivo Nacional de Angola, bem como a incorporação dos documentos produzidos depois de 1975, pelos Órgãos de Soberania.

Os arquivos serão transferidos para as novas instalações, com o propósito de melhorar a conservação e qualidade de serviços, incluindo o acesso de investigadores e estudantes ao seu acervo.

O Arquivo Nacional de Angola é um instituto público dotado de personalidade jurídica, autonomia administrativa, financeira e patrimonial, que tem como missão coordenar a política arquivística nacional e avaliar, recolher, classificar, conservar e divulgar os documentos de valor arquivístico e histórico.

Criado ao abrigo do Decreto nº 51/09, de 16 de Setembro de 2009 do Conselho de Ministros, o Arquivo Nacional tem ainda as funções de formular as directrizes gerais e supervisionar metodologicamente o funcionamento do Sistema Nacional de Arquivo.

Até a sua afirmação como instituição do Estado angolano, garante da preservação de todo património arquivistico do país, há uma longa trajetória, de que se reportam as mudanças operadas nos serviços de arquivos ao longo dos tempos.

Em Abril de 1977 foi criado o Centro Nacional de Documentação e Investigação Histórica, instituição que se ocupou da problemática dos Arquivos e, por tal, herdou todo o acervo do então Arquivo Histórico de Angola.