PR consternado pela morte de Kenneth Kaunda

  • Presidente da República, João Lourenço (arquivo)
Luanda – O Chefe de Estado, João Lourenço, manifestou profunda consternação, pelo falecimento do antigo Presidente da Zâmbia, Kenneth Kaunda, a quem considerou um líder carismático.

Em mensagem dirigida à família, a que a ANGOP teve hoje acesso, João Lourenço refere que Kenneth Kaunda dedicou a sua vida à libertação do povo zambiano, acção que se estendeu à região austral de África, onde mediou vários conflitos e integrou os Estados da Linha da Frente contra o regime do apartheid na África do Sul. 

"Enquanto Chefe de Estado, o seu país foi a retaguarda dos movimentos de libertação, tendo albergado as suas direcções políticas, os centros de treinamento e bases logísticas”, salienta João Lourenço na missiva. 

Lembra que, apesar de ter abandonado a vida política activa, Kenneth Kaunda não deixou de intervir, através da sua Fundação, no combate contra à epidemia do HIV-Sida e em outras frentes humanitárias. 

João Lourenço considera que o desaparecimento físico do fundador da nação zambiana deixa, entre os seus simpatizantes, familiares e amigos, um grande vazio, pois, era reconhecida a sua filosofia humanista e solidária.

"À família enlutada e ao povo irmão da Zâmbia", o Presidente João Lourenço exprime as mais sentidas condolências.

Kenneth David Kaunda, que esteve à frente dos destinos da Zâmbia desde a Independência Nacional, em 1964, até 1991, morreu quinta-feira, aos 97 anos, num hospital militar de Lusaka, onde se encontrava internado.

Em mensagem dirigida à família, a que a ANGOP teve hoje acesso, João Lourenço refere que Kenneth Kaunda dedicou a sua vida à libertação do povo zambiano, acção que se estendeu à região austral de África, onde mediou vários conflitos e integrou os Estados da Linha da Frente contra o regime do apartheid na África do Sul. 

"Enquanto Chefe de Estado, o seu país foi a retaguarda dos movimentos de libertação, tendo albergado as suas direcções políticas, os centros de treinamento e bases logísticas”, salienta João Lourenço na missiva. 

Lembra que, apesar de ter abandonado a vida política activa, Kenneth Kaunda não deixou de intervir, através da sua Fundação, no combate contra à epidemia do HIV-Sida e em outras frentes humanitárias. 

João Lourenço considera que o desaparecimento físico do fundador da nação zambiana deixa, entre os seus simpatizantes, familiares e amigos, um grande vazio, pois, era reconhecida a sua filosofia humanista e solidária.

"À família enlutada e ao povo irmão da Zâmbia", o Presidente João Lourenço exprime as mais sentidas condolências.

Kenneth David Kaunda, que esteve à frente dos destinos da Zâmbia desde a Independência Nacional, em 1964, até 1991, morreu quinta-feira, aos 97 anos, num hospital militar de Lusaka, onde se encontrava internado.