PR reconhece empenho na produção de bens essenciais

  • Presidente da República, João Lourenço, discursa na cerimónia de homenagem aos produtores nacionais de bens essenciais
Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, reconheceu, nesta terça-feira, o empenho do empresariado privado nacional na produção de bens essenciais, face aos vários constrangimentos, alguns decorrentes da Covid-19.

"Hoje, apesar de persistirem ainda constragimentos de vária ordem, para além dos decorrentes da Covid-19, é justo reconhecer publicamente que o empresariado privado respondeu positivamente", reconheceu João Lourenço.

Ao discursar na cerimónia em homenagem aos produtores nacionais de bens essenciais, o Titular do Poder Executivo sublinhou que o empresariado privado tem vindo a realizar "investimentos satisfatórios e visíveis aos olhos de todos".

Para o Presidente da República, a homenagem aos produtores nacionais, em véspera da quadra festiva, justifica-se por ser um bom momento para reflectir sobre o empenho e a capacidade de resistência demonstrados pelos mesmos, durante o ano de 2020, que considerou de "muito díficil".

Na intervenção perante representantes de 62 empresas das 18 provínciais do país, João Lourenço disse esperar que o ano de 2021 seja marcado pelo fortalecimento da produção interna.

Sobre os dados da última época agrícola, João Lourewnço afirmou que foram alcançados bons resultados na produção das principais culturas.

Destacou a produção de mais de três milhões de toneladas de cereais, de 11 milhões de toneladas de raizes e tubérculos, bem como de dois milhões de toneladas de hortícolas, enquanto no domínio pecuário foram produzidas cerca de 145 mil toneladas de carne, das 197 mil previstas.

Segundo o Presidente da República, na avicultura o país obteve 1,2 mil milhões de ovos, quando o previsto era alcançar 1,5 mil milhões.

Na cerimónia, realizada nos jardins do Palácio Presidencial à Cidade Alta, foram homenageados produtores de bens essenciais de alto consumo e de bens da cesta básica.

Em Novembro deste ano, o Presidente João Lourenço já havia homenageado a classe dos médicos e dos enfermeiros, as Forças de Defesa e Segurança, pilotos da Força Aérea e da TAAG, empresários, camionistas, fazedores de Arte e Cultura e jornalistas, pela actuação destacada no combate contra a pandemia da Covid-19.

"Hoje, apesar de persistirem ainda constragimentos de vária ordem, para além dos decorrentes da Covid-19, é justo reconhecer publicamente que o empresariado privado respondeu positivamente", reconheceu João Lourenço.

Ao discursar na cerimónia em homenagem aos produtores nacionais de bens essenciais, o Titular do Poder Executivo sublinhou que o empresariado privado tem vindo a realizar "investimentos satisfatórios e visíveis aos olhos de todos".

Para o Presidente da República, a homenagem aos produtores nacionais, em véspera da quadra festiva, justifica-se por ser um bom momento para reflectir sobre o empenho e a capacidade de resistência demonstrados pelos mesmos, durante o ano de 2020, que considerou de "muito díficil".

Na intervenção perante representantes de 62 empresas das 18 provínciais do país, João Lourenço disse esperar que o ano de 2021 seja marcado pelo fortalecimento da produção interna.

Sobre os dados da última época agrícola, João Lourewnço afirmou que foram alcançados bons resultados na produção das principais culturas.

Destacou a produção de mais de três milhões de toneladas de cereais, de 11 milhões de toneladas de raizes e tubérculos, bem como de dois milhões de toneladas de hortícolas, enquanto no domínio pecuário foram produzidas cerca de 145 mil toneladas de carne, das 197 mil previstas.

Segundo o Presidente da República, na avicultura o país obteve 1,2 mil milhões de ovos, quando o previsto era alcançar 1,5 mil milhões.

Na cerimónia, realizada nos jardins do Palácio Presidencial à Cidade Alta, foram homenageados produtores de bens essenciais de alto consumo e de bens da cesta básica.

Em Novembro deste ano, o Presidente João Lourenço já havia homenageado a classe dos médicos e dos enfermeiros, as Forças de Defesa e Segurança, pilotos da Força Aérea e da TAAG, empresários, camionistas, fazedores de Arte e Cultura e jornalistas, pela actuação destacada no combate contra a pandemia da Covid-19.