Presidente angolano aborda cooperação com embaixadora dos EUA

  • Presidente da República, João Lourenço (à dir.), recebe em audiência embaixadora dos EUA em Angola, Nina Fite
  • Embaixadora dos Estados Unidos da América em Angola, Nina Fite, em declarações à imprensa, no final da audiência concedida pelo Presidente João Lourenço
  • Presidente da República, João Lourenço (à dir.), recebe em audiência embaixadora dos EUA em Angola, Nina Fite
Luanda - O Presidente angolano, João Lourenço, abordou, segunda-feira, a cooperação entre Angola e os Estados Unidos da América (EUA), durante uma audiência que concedeu à embaixadora norte-americana, Nina Fite.

No final do encontro, a diplomata dos EUA disse à imprensa que falaram sobre a nova administração do Presidente Joe Biden, as suas prioridades e o combate à Covid-19.

Relativamente à Covid-19, a embaixadora sublinhou que é importante notar que os Estados Unidos voltaram a ser membro da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Deste modo, enfatizou, os EUA também estão a participar no programa do Covax e já têm no orçamento quatro mil milhões de Dólares para ajudar na  distribuição das vacinas a nível mundial, incluindo Angola.

No quadro do combate à propagação da Covid-19, foi criada a aliança Covax, uma iniciativa da OMS para garantir o acesso equitativo à vacina contra o novo coronavírus a todos os países.

Nina Fite destacou igualmente o regresso dos EUA ao Acordo de Paris, um tratado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, que estabelece medidas de redução da emissão de gases com efeito estufa.

No entender da embaixadora dos EUA, essa é uma área que ajuda Angola, ressaltando: “temos que trabalhar com o projecto Okavango”.

O Okavango-Zambeze é dos mais ambiciosos projectos turísticos da África Austral, abrangendo uma área total de 278 mil quilómetros quadrados.

Tem como objectivo incentivar o turismo transfronteiriço entre Angola, Zâmbia, Zimbabwe, Namíbia e Botswana.

A diplomata norte-americana disse que durante a audiência também foram  abordados outros assuntos de interesse bilateral.

“Temos alguns programas novos ligados ao ensino de inglês para os militares e funcionários do Governo angolano”, expressou Nina Fite, para quem “com a nova administração dos Estados Unidos as coisas vão se manter na relação com Angola”.

Segundo a embaixadora, o Governo do Presidente Joe Biden considera África como continente prioritário, com o qual vai trabalhar nos segmentos da saúde, do ambiente e no fortalecimento da democracia.

A audiência acontece cinco dias depois de Joe Biden ter tomado posse como novo Presidente dos EUA, em substituição de Donald Trump.

Angola e os Estados Unidos da América estabeleceram relações diplomáticas formais em 1993.

O sector da energia está no centro das relações económicas entre ambos os  países. O Ex-ImBank americano dispõe de uma linha de crédito de apoio às exportações dos EUA para Angola.

A Câmara de Comércio Estados Unidos-Angola dedica-se à promoção do comércio e investimento entre os dois países.

No final do encontro, a diplomata dos EUA disse à imprensa que falaram sobre a nova administração do Presidente Joe Biden, as suas prioridades e o combate à Covid-19.

Relativamente à Covid-19, a embaixadora sublinhou que é importante notar que os Estados Unidos voltaram a ser membro da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Deste modo, enfatizou, os EUA também estão a participar no programa do Covax e já têm no orçamento quatro mil milhões de Dólares para ajudar na  distribuição das vacinas a nível mundial, incluindo Angola.

No quadro do combate à propagação da Covid-19, foi criada a aliança Covax, uma iniciativa da OMS para garantir o acesso equitativo à vacina contra o novo coronavírus a todos os países.

Nina Fite destacou igualmente o regresso dos EUA ao Acordo de Paris, um tratado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, que estabelece medidas de redução da emissão de gases com efeito estufa.

No entender da embaixadora dos EUA, essa é uma área que ajuda Angola, ressaltando: “temos que trabalhar com o projecto Okavango”.

O Okavango-Zambeze é dos mais ambiciosos projectos turísticos da África Austral, abrangendo uma área total de 278 mil quilómetros quadrados.

Tem como objectivo incentivar o turismo transfronteiriço entre Angola, Zâmbia, Zimbabwe, Namíbia e Botswana.

A diplomata norte-americana disse que durante a audiência também foram  abordados outros assuntos de interesse bilateral.

“Temos alguns programas novos ligados ao ensino de inglês para os militares e funcionários do Governo angolano”, expressou Nina Fite, para quem “com a nova administração dos Estados Unidos as coisas vão se manter na relação com Angola”.

Segundo a embaixadora, o Governo do Presidente Joe Biden considera África como continente prioritário, com o qual vai trabalhar nos segmentos da saúde, do ambiente e no fortalecimento da democracia.

A audiência acontece cinco dias depois de Joe Biden ter tomado posse como novo Presidente dos EUA, em substituição de Donald Trump.

Angola e os Estados Unidos da América estabeleceram relações diplomáticas formais em 1993.

O sector da energia está no centro das relações económicas entre ambos os  países. O Ex-ImBank americano dispõe de uma linha de crédito de apoio às exportações dos EUA para Angola.

A Câmara de Comércio Estados Unidos-Angola dedica-se à promoção do comércio e investimento entre os dois países.