Presidente do Governo de Espanha chega hoje a Luanda

  • Pedro Sánchez Pérez-Castejón, Primeiro Ministro de Espanha
Luanda - O Presidente do Governo de Espanha, Pedro Sánchez Pérez Castejón, chega esta quarta-feira, à noite, a Luanda, para uma visita oficial, a convite do Presidente da República, João Lourenço.

A Casa Civil do Presidente da República adianta, em nota, que durante a jornada de trabalho, que decorre quinta-feira (8), o líder espanhol efectuará visitas a empreendimentos ligados à acção do seu país em Angola.

A agenda de trabalho de Pedro Sánchez Pérez Castejón prevê, para quinta-feira, de manhã, visitas à subestação da empresa ELECNOR, na Boavista, e ao Colégio Salesianos Dom Bosco, no distrito urbano do Sambizanga.

No mesmo dia, o Presidente do Governo de Espanha vai ao Palácio Presidencial da Cidade Alta, onde está previsto um encontro com o Chefe de Estado angolano seguido de conversações oficiais entre delegações dos dois países. 

Ainda no quadro da visita, Pedro Sánchez vai testemunhar, no Palácio Presidencial, a assinatura de diversos instrumentos jurídicos para o reforço da cooperação bilateral.

Ainda no Palácio Presidencial, segundo a agenda, as duas entidades prestarão declarações à imprensa.

Pedro Sánchez deixará Luanda a meio da tarde de quinta-feira rumo ao Senegal, segunda etapa da sua deslocação ao continente africano.

Desenvolvimento das relações bilaterais

As relações de cooperação bilateral entre Angola e o Reino de Espanha têm como base o Acordo Geral de Cooperação assinado a 20 de Maio de 1987, e o Acordo Complementar ao Acordo Geral assinado em Novembro de 1987.

A cooperação entre os dois países tem-se intensificado no sector empresarial com a presença de empresas espanholas em Angola.

Em 2008, o Reino de Espanha concedeu uma linha de crédito a Angola no valor de 600 milhões de euros, com vista a estreitar a cooperação bilateral entre os dois países. 

Em 2009, o Reino de Espanha concedeu uma nova linha crédito a Angola no valor de 500 milhões de Euros, gerida pela Companhia Espanhola de Seguro de Crédito à Exportação-CESCE, para incentivar as exportações entre os dois países.

As linhas de crédito fizeram com que o volume de negócios entre Angola e Espanha tivessem alcançado aproximadamente mil milhões de euros em 2011, contra os setecentos e cinquenta milhões de euros em 2010.

Volume de negócios 

Em termos de comércio bilateral, de 2015 a 2019, o volume de negócios fixou-se em 7,5 mil milhões de Euros baseado, sobretudo, nas exportações de Angola para Espanha, consubstanciadas na venda de petróleo bruto. 

Antes de 2015, o comércio entre os dois países estava fixado em cerca de dois mil milhões de Euros/ano de exportações de Angola e entre 200 e 400 milhões de Euros de exportações de Espanha para Angola.

Entretanto, nos últimos dois anos as trocas comerciais diminuíram muito, estando avaliadas em 1,7 mil milhões de exportações angolanas.

Ao contrário de Angola, as exportações de Espanha estão bastante diversificadas, sendo dominadas por bens industriais, com incidência para os bens de consumo, que atingem 15 por cento das exportações espanholas para Angola e também os bens agro-alimentares e bebidas que compõem cerca de 10 por cento dessas exportações.

Os bens industriais, particularmente as máquinas e equipamentos mecânicos, materiais de plástico, aparelhos eletrónicos e maquinaria agrícola dominam as exportações de Espanha para Angola.

Quanto a programas para o fomento das relações económicas entre os dois países, o Reino de Espanha tem em curso projectos que fazem parte da Secretaria de Estado de Comércio Exterior, que tem servido de apoio para a implantação das empresas espanholas em Angola.

Em particular, existem três grandes instrumentos financeiros em curso, nomeadamente o seguro de crédito à exportação, o fundo para a internacionalização de empresas espanholas e os financiamentos para o investimento a nível do COFIDES - Companhia Espanhola para o Financiamento do Desenvolvimento. 

A par dessas iniciativas, Espanha também fornece serviços, como instrumentos de promoção comercial, além da organização de missões empresariais a Angola.

A última visita de um chefe do Governo espanhol a Angola aconteceu em 1991, com Felipe González.

A Casa Civil do Presidente da República adianta, em nota, que durante a jornada de trabalho, que decorre quinta-feira (8), o líder espanhol efectuará visitas a empreendimentos ligados à acção do seu país em Angola.

A agenda de trabalho de Pedro Sánchez Pérez Castejón prevê, para quinta-feira, de manhã, visitas à subestação da empresa ELECNOR, na Boavista, e ao Colégio Salesianos Dom Bosco, no distrito urbano do Sambizanga.

No mesmo dia, o Presidente do Governo de Espanha vai ao Palácio Presidencial da Cidade Alta, onde está previsto um encontro com o Chefe de Estado angolano seguido de conversações oficiais entre delegações dos dois países. 

Ainda no quadro da visita, Pedro Sánchez vai testemunhar, no Palácio Presidencial, a assinatura de diversos instrumentos jurídicos para o reforço da cooperação bilateral.

Ainda no Palácio Presidencial, segundo a agenda, as duas entidades prestarão declarações à imprensa.

Pedro Sánchez deixará Luanda a meio da tarde de quinta-feira rumo ao Senegal, segunda etapa da sua deslocação ao continente africano.

Desenvolvimento das relações bilaterais

As relações de cooperação bilateral entre Angola e o Reino de Espanha têm como base o Acordo Geral de Cooperação assinado a 20 de Maio de 1987, e o Acordo Complementar ao Acordo Geral assinado em Novembro de 1987.

A cooperação entre os dois países tem-se intensificado no sector empresarial com a presença de empresas espanholas em Angola.

Em 2008, o Reino de Espanha concedeu uma linha de crédito a Angola no valor de 600 milhões de euros, com vista a estreitar a cooperação bilateral entre os dois países. 

Em 2009, o Reino de Espanha concedeu uma nova linha crédito a Angola no valor de 500 milhões de Euros, gerida pela Companhia Espanhola de Seguro de Crédito à Exportação-CESCE, para incentivar as exportações entre os dois países.

As linhas de crédito fizeram com que o volume de negócios entre Angola e Espanha tivessem alcançado aproximadamente mil milhões de euros em 2011, contra os setecentos e cinquenta milhões de euros em 2010.

Volume de negócios 

Em termos de comércio bilateral, de 2015 a 2019, o volume de negócios fixou-se em 7,5 mil milhões de Euros baseado, sobretudo, nas exportações de Angola para Espanha, consubstanciadas na venda de petróleo bruto. 

Antes de 2015, o comércio entre os dois países estava fixado em cerca de dois mil milhões de Euros/ano de exportações de Angola e entre 200 e 400 milhões de Euros de exportações de Espanha para Angola.

Entretanto, nos últimos dois anos as trocas comerciais diminuíram muito, estando avaliadas em 1,7 mil milhões de exportações angolanas.

Ao contrário de Angola, as exportações de Espanha estão bastante diversificadas, sendo dominadas por bens industriais, com incidência para os bens de consumo, que atingem 15 por cento das exportações espanholas para Angola e também os bens agro-alimentares e bebidas que compõem cerca de 10 por cento dessas exportações.

Os bens industriais, particularmente as máquinas e equipamentos mecânicos, materiais de plástico, aparelhos eletrónicos e maquinaria agrícola dominam as exportações de Espanha para Angola.

Quanto a programas para o fomento das relações económicas entre os dois países, o Reino de Espanha tem em curso projectos que fazem parte da Secretaria de Estado de Comércio Exterior, que tem servido de apoio para a implantação das empresas espanholas em Angola.

Em particular, existem três grandes instrumentos financeiros em curso, nomeadamente o seguro de crédito à exportação, o fundo para a internacionalização de empresas espanholas e os financiamentos para o investimento a nível do COFIDES - Companhia Espanhola para o Financiamento do Desenvolvimento. 

A par dessas iniciativas, Espanha também fornece serviços, como instrumentos de promoção comercial, além da organização de missões empresariais a Angola.

A última visita de um chefe do Governo espanhol a Angola aconteceu em 1991, com Felipe González.