Presidente Faustin Touadéra termina visita a Angola

  • Presidente da República Centro- Africana (RCA), Faustin-Archange Touadéra
Luanda - O Presidente da República Centro-Africana, Faustin Touadéra, deixou na tarde desta segunda-feira Luanda, depois de se ter reunido, em privado, com o seu homólogo angolano, João Lourenço.

No Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, o estadista da RCA, que não prestou declarações à imprensa, recebeu cumprimentos de despedida do ministro das Relações Exteriores, Téte António, entre outras individualidades.

O Chefe de Estado angolano, na qualidade de presidente em exercício da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), de que a RCA é membro, tem intercedido para a pacificação e estabilidade daquele país.

No mês passado, advogou, em Nova Iorque (EUA), numa sessão do Conselho de Segurança da ONU, o levantamento do embargo de armas imposto à República Centro-Africana.

Solicitou, igualmente, apoio internacional para o Governo daquele país africano, no sentido de equipar as suas forças armadas e criar condições para assegurar a estabilidade interna, depois da retirada das forças de manutenção da paz da ONU.

Este ano, Luanda já acolheu duas mini-cimeiras de Chefes de Estado e de Governo para a paz na RCA, país que vive períodos de violência, desde 2013, após o derrube do então Presidente François Bozizé, por grupos armados da etnia Seleka.

A República Centro-Africana faz fronteira a Norte com o Tchad, a Nordeste com o Sudão, a Este com o Sudão do Sul, a Sul com o Congo e a República Democrática do Congo e a Oeste com os Camarões.

No Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, o estadista da RCA, que não prestou declarações à imprensa, recebeu cumprimentos de despedida do ministro das Relações Exteriores, Téte António, entre outras individualidades.

O Chefe de Estado angolano, na qualidade de presidente em exercício da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), de que a RCA é membro, tem intercedido para a pacificação e estabilidade daquele país.

No mês passado, advogou, em Nova Iorque (EUA), numa sessão do Conselho de Segurança da ONU, o levantamento do embargo de armas imposto à República Centro-Africana.

Solicitou, igualmente, apoio internacional para o Governo daquele país africano, no sentido de equipar as suas forças armadas e criar condições para assegurar a estabilidade interna, depois da retirada das forças de manutenção da paz da ONU.

Este ano, Luanda já acolheu duas mini-cimeiras de Chefes de Estado e de Governo para a paz na RCA, país que vive períodos de violência, desde 2013, após o derrube do então Presidente François Bozizé, por grupos armados da etnia Seleka.

A República Centro-Africana faz fronteira a Norte com o Tchad, a Nordeste com o Sudão, a Este com o Sudão do Sul, a Sul com o Congo e a República Democrática do Congo e a Oeste com os Camarões.