PGR lança primeiro volume do livro memórias

  • Logotipo da Procuradoria Geral Da República.
Luanda - O primeiro volume do livro de memórias da Procuradoria-Geral da República (PGR) intitulado “Procuradoria-Geral da República 40 anos, 40 Memórias”, foi lançado, nesta segunda-feira, em Luanda, com autógrafo do Procurador-Geral, Hélder Fernando Pitta Gróz.

O livro, que reúne memórias de profissionais da PGR, foi concebido para promover a preservação da cultura institucional, partilha de experiências e vivências, bem como uma fonte de inspiração para enfrentar os desafios presentes e futuro.

Feito num período de dois anos e quatros meses, prefaciada pelo Procurador-Geral da República Jubilado, Domingos Culolo, Memórias da PGR tem 488 páginas, 25 memórias de magistrados e está a ser comercializado ao preço de 10 mil kwanzas.

Com duas partes e sete capítulos, considerado como livro instrumental, é base para a elaboração de outro mais completo e complexo, que será o livro da história oficial da PGR, que se conta em dois tempos.

Lançada para assinalar os 40 anos da instituição, a obra terá o segundo volume, que trará outras 15 memórias para totalizar as 40 memórias de existência da PGR, bem como poderá ter outros volumes caso se justifique.

A obra começa por retratar um estrato do discurso do Presidente da República, João Lourenço, sobre o Estado na Nação, em 2019, na abertura do ano legislativo, sobre o impacto do moral dos magistrados e funcionários no desempenho das suas actividades.

Traz informações de utilidade pública como endereço, tabelas informativas sobre várias áreas da PGR, galeria de fotos dos mais altos responsáveis da instituição, curiosidade, estatística, memórias dos membros da direcção, magistrados jubilados e em exercício de funções, quer no fórum comum quer no militar.

Depois de elaborado os termos de referência, foi feita a remessa de cerca de 70 convites a magistrados dentro e fora de Angola, consulta a mais de 600 processos individuais, livros de registo e mais de 70 revistas da PGR desde a era colonial e legislação. 

O livro, que reúne memórias de profissionais da PGR, foi concebido para promover a preservação da cultura institucional, partilha de experiências e vivências, bem como uma fonte de inspiração para enfrentar os desafios presentes e futuro.

Feito num período de dois anos e quatros meses, prefaciada pelo Procurador-Geral da República Jubilado, Domingos Culolo, Memórias da PGR tem 488 páginas, 25 memórias de magistrados e está a ser comercializado ao preço de 10 mil kwanzas.

Com duas partes e sete capítulos, considerado como livro instrumental, é base para a elaboração de outro mais completo e complexo, que será o livro da história oficial da PGR, que se conta em dois tempos.

Lançada para assinalar os 40 anos da instituição, a obra terá o segundo volume, que trará outras 15 memórias para totalizar as 40 memórias de existência da PGR, bem como poderá ter outros volumes caso se justifique.

A obra começa por retratar um estrato do discurso do Presidente da República, João Lourenço, sobre o Estado na Nação, em 2019, na abertura do ano legislativo, sobre o impacto do moral dos magistrados e funcionários no desempenho das suas actividades.

Traz informações de utilidade pública como endereço, tabelas informativas sobre várias áreas da PGR, galeria de fotos dos mais altos responsáveis da instituição, curiosidade, estatística, memórias dos membros da direcção, magistrados jubilados e em exercício de funções, quer no fórum comum quer no militar.

Depois de elaborado os termos de referência, foi feita a remessa de cerca de 70 convites a magistrados dentro e fora de Angola, consulta a mais de 600 processos individuais, livros de registo e mais de 70 revistas da PGR desde a era colonial e legislação.