UNITA encoraja valorização dos jornalistas

Luanda – A UNITA encorajou, nesta segunda-feira, a valorização dos fazedores de opinião e funcionários do ramo da comunicação social em Angola. 

Numa mensagem a propósito do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa (3 de Maio), o partido afirma que os jornalistas têm sabido bater-se com brio, para que o exercício da liberdade de imprensa possa ser valorizado e respeitado.

"A livre expressão dos cidadãos e dos jornalistas exerce um papel fundamental na implantação da diversidade de pensamento e de opinião para melhor exercício da pluralidade", lê-se na mensagem. 

Conforme a UNITA, sem liberdade de imprensa, as sociedades tendem a estagnar, condicionando a busca de soluções prementes dos seus problemas. 

"É dever e obrigação dos governos e Estados de todo o mundo garantirem a liberdade de imprensa", reforça. 

A UNITA encorajar a classe jornalística em Angola, como combatentes da linha da frente no combate à Covid-19, para a divulgação e educação da sociedade sobre as medidas de prevenção e combate contra esta pandemia que assola o Mundo.

Exorta ainda o Executivo a melhorar as condições objectivas e subjectivas para garantir o pleno exercício da liberdade de imprensa, nos marcos da Constituição e da Lei. 

Manifesta preocupação face "à concentração de órgãos de comunicação social na tutela do Executivo", considerando que isso limita o direito à informação, fundamental para a consolidação do Estado Democrático de direito.

Numa mensagem a propósito do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa (3 de Maio), o partido afirma que os jornalistas têm sabido bater-se com brio, para que o exercício da liberdade de imprensa possa ser valorizado e respeitado.

"A livre expressão dos cidadãos e dos jornalistas exerce um papel fundamental na implantação da diversidade de pensamento e de opinião para melhor exercício da pluralidade", lê-se na mensagem. 

Conforme a UNITA, sem liberdade de imprensa, as sociedades tendem a estagnar, condicionando a busca de soluções prementes dos seus problemas. 

"É dever e obrigação dos governos e Estados de todo o mundo garantirem a liberdade de imprensa", reforça. 

A UNITA encorajar a classe jornalística em Angola, como combatentes da linha da frente no combate à Covid-19, para a divulgação e educação da sociedade sobre as medidas de prevenção e combate contra esta pandemia que assola o Mundo.

Exorta ainda o Executivo a melhorar as condições objectivas e subjectivas para garantir o pleno exercício da liberdade de imprensa, nos marcos da Constituição e da Lei. 

Manifesta preocupação face "à concentração de órgãos de comunicação social na tutela do Executivo", considerando que isso limita o direito à informação, fundamental para a consolidação do Estado Democrático de direito.