UNITA reafirma aposta na consolidação da paz social

Huambo – A secretária da UNITA na província do Huambo, Albertina Navita Ngolo, reafirmou, esta sexta-feira, o compromisso do seu partido em manter a paz e a estabilidade político-social, através do diálogo franco e aberto.

A dirigente político-partidário, que falava em conferência de imprensa, referiu que a UNITA está firme para continuar a trabalhar em prol da paz e da democracia, interagindo, deste modo, com as autoridades competentes para resolução dos conflitos de natureza política.

Por isso, apelou os militantes a evitarem provocações ou a reagirem em casos de intolerância política, para melhor contribuírem para a unidade da Nação, promovendo, deste modo, actos que enalteçam a justiça social, a convivência na diferença e a consolidação da democracia.

Albertina Navita Ngolo lamentou o facto de, nos últimos 15 dias, dois militantes do seu partido terem sido agredidos, alegadamente por interesses político-partidários nos municípios do Londuimbali e Cachiungo.

Defendeu, por esta razão, o envolvimento dos órgãos competentes, com realce para o Serviço de Investigação Criminal e a Polícia Nacional, para a detenção dos autores das agressões físicas, as quais considerou serem motivadas por “actos de intolerância política”.

Não obstante essa situação, prometeu continuar a trabalhar para a promoção da convivência pacífica e do respeito pelas diferenças, através da cooperação com as instituições do Estado e a sociedade civil, de forma geral, com o desencorajamento de actos de justiça por mãos próprias.

A dirigente político-partidário, que falava em conferência de imprensa, referiu que a UNITA está firme para continuar a trabalhar em prol da paz e da democracia, interagindo, deste modo, com as autoridades competentes para resolução dos conflitos de natureza política.

Por isso, apelou os militantes a evitarem provocações ou a reagirem em casos de intolerância política, para melhor contribuírem para a unidade da Nação, promovendo, deste modo, actos que enalteçam a justiça social, a convivência na diferença e a consolidação da democracia.

Albertina Navita Ngolo lamentou o facto de, nos últimos 15 dias, dois militantes do seu partido terem sido agredidos, alegadamente por interesses político-partidários nos municípios do Londuimbali e Cachiungo.

Defendeu, por esta razão, o envolvimento dos órgãos competentes, com realce para o Serviço de Investigação Criminal e a Polícia Nacional, para a detenção dos autores das agressões físicas, as quais considerou serem motivadas por “actos de intolerância política”.

Não obstante essa situação, prometeu continuar a trabalhar para a promoção da convivência pacífica e do respeito pelas diferenças, através da cooperação com as instituições do Estado e a sociedade civil, de forma geral, com o desencorajamento de actos de justiça por mãos próprias.