Vice-almirante defende atitudes que beneficiem as comunidades

  • Bandeira da República de Angola
Luanda - O director-geral do Instituto de Defesa Nacional, vice-almirante António Miranda, defendeu a promoção de atitudes colectivas que resolvam os problemas reais das comunidades, para consolidar comportamentos sociais e satisfazer os interesses dos cidadãos.

O vice-almirante, que falava na abertura do Primeiro Seminário sobre Defesa Nacional, no município do Cazenga, província de Luanda, adiantou que a defesa e a segurança de um país devem ser avaliadas no seu todo, olhando as causas e encontrar as razões pelas quais acontecem.

O vice-governador de Luanda para o Sector Político e Social, Dionísio Manuel da Fonseca, por seu lado, disse ser necessário olhar para a defesa nacional como uma questão republicana, tal como a saúde, o ensino e a cultura, porque uma agressão contra o país, independentemente da sua natureza, coloca em risco toda a nação.

Sublinhou que este princípio deve ser visto sem olhar para a origem etnolinguística, cor da pele ou filiação partidária dos seus integrantes, nem como tarefa exclusiva e única reservada aos órgãos de defesa e segurança, neste caso a Policia Nacional e as Forças Armadas.

O seminário, uma iniciativa da administração do Cazenga em parceria com o Instituto de Defesa Nacional, visa orientar os jovens para a educação patriótica e orientar na protecção dos bens públicos.

A formação, com duração de cinco dias, visa despertar o interesse da sociedade civil, principalmente da juventude para as questões relativas a segurança e a defesa nacional, bem como contribuir para a criação de bons comportamentos, fase a destruição massiva do património público que se regista na capital angolana.

Inserido no programa " Abril Jovem ", o seminário vai abordar temas relacionados com a segurança nacional, relações civis e militares, no âmbito da garantia dos direitos dos cidadãos, as redes sociais e o seu impacto social nas comunidades.

O empreendedorismo como elemento de desenvolvimento e a segurança nacional, importância da promoção da cultura de defesa no seio da comunidade, as potencialidades políticas, administrativas, económicas e sociais e o papel nos estados modernos, serão igualmente abordados.

A caracterização da segurança pública, sinistralidade rodoviária, os órgãos intervenientes, missões e atribuições, gravidez precoce e seu impacto, importância da preservação do legado e património  histórico militar nacional são também temas em análise.

Participam do seminário, administradores municipais adjuntos, distritais, directores, representantes dos órgãos de defesa e segurança, representantes de associações juvenis e de partidos políticos com assento parlamentar.

O vice-almirante, que falava na abertura do Primeiro Seminário sobre Defesa Nacional, no município do Cazenga, província de Luanda, adiantou que a defesa e a segurança de um país devem ser avaliadas no seu todo, olhando as causas e encontrar as razões pelas quais acontecem.

O vice-governador de Luanda para o Sector Político e Social, Dionísio Manuel da Fonseca, por seu lado, disse ser necessário olhar para a defesa nacional como uma questão republicana, tal como a saúde, o ensino e a cultura, porque uma agressão contra o país, independentemente da sua natureza, coloca em risco toda a nação.

Sublinhou que este princípio deve ser visto sem olhar para a origem etnolinguística, cor da pele ou filiação partidária dos seus integrantes, nem como tarefa exclusiva e única reservada aos órgãos de defesa e segurança, neste caso a Policia Nacional e as Forças Armadas.

O seminário, uma iniciativa da administração do Cazenga em parceria com o Instituto de Defesa Nacional, visa orientar os jovens para a educação patriótica e orientar na protecção dos bens públicos.

A formação, com duração de cinco dias, visa despertar o interesse da sociedade civil, principalmente da juventude para as questões relativas a segurança e a defesa nacional, bem como contribuir para a criação de bons comportamentos, fase a destruição massiva do património público que se regista na capital angolana.

Inserido no programa " Abril Jovem ", o seminário vai abordar temas relacionados com a segurança nacional, relações civis e militares, no âmbito da garantia dos direitos dos cidadãos, as redes sociais e o seu impacto social nas comunidades.

O empreendedorismo como elemento de desenvolvimento e a segurança nacional, importância da promoção da cultura de defesa no seio da comunidade, as potencialidades políticas, administrativas, económicas e sociais e o papel nos estados modernos, serão igualmente abordados.

A caracterização da segurança pública, sinistralidade rodoviária, os órgãos intervenientes, missões e atribuições, gravidez precoce e seu impacto, importância da preservação do legado e património  histórico militar nacional são também temas em análise.

Participam do seminário, administradores municipais adjuntos, distritais, directores, representantes dos órgãos de defesa e segurança, representantes de associações juvenis e de partidos políticos com assento parlamentar.