Vice-presidente da República destaca qualidades de Jorge Sampaio

  • Vice-presidente da República, Bornito de Sousa
Luanda - O Vice-presidente da República, Bornito de Sousa, destacou, este domingo, em Lisboa, o legado democrático do antigo Estadista português, Jorge Sampaio, que foi sepultado hoje no cemitério do Alto São João.

Bornito de Sousa participou, na capital portuguesa, nas exéquias do ex-Presidente português, falecido sábado aos 81 anos, em representação do Chefe de Estado angolano, João Lourenço.

O Vice-presidente da República ressaltou, na ocasião, a importância de Jorge Sampaio, no processo de pacificação de Angola.

Distintas personalidades internacionais como o rei de Espanha, o primeiro-ministro de Cabo Verde e o presidente do Parlamento de Timor Leste, entre outras, marcaram também presença no último adeus ao antigo Presidente da República portuguesa.

O funeral de Jorge Sampaio foi marcado por discursos emocionantes de familiares e autoridades, que destacaram a importância e legado democrático do político.

Recordaram momentos enfrentados pelo político "nos dias cinzentos e de chumbo da ditadura".

As cerimónias fúnebres foram pensadas para combinar as honras de Estado de um ex-Presidente da República com algumas características da sua personalidade e do seu percurso político.

O antigo Presidente foi relembrado como uma das mais proeminentes figuras políticas da sua geração e pelos  destacados cargos desempenhados na ONU.

O seu funeral foi o segundo em tempos de democracia naquele país europeu com honras de Estado. O primeiro teve lugar em Janeiro de 2017 quando morreu Mario Soares, também antigo Estadista luso.

O velório de Jorge Sampaio decorreu no antigo picadeiro real em Belém, com a cerimónia a ter lugar no claustro do Mosteiro dos Jerónimos e o funeral no cemitério do Alto de São João, em Lisboa.

O Governo português decretou três dias de luto nacional, entre sábado e segunda-feira, pela morte do antigo Presidente da República.

Jorge Fernando Branco de Sampaio, que nasceu em Lisboa, em 1939, foi Presidente da República portuguesa durante dois mandatos, entre 1996 e 2006. 

Em 1989, foi eleito líder do Partido Socialista e na mesma altura presidente da Câmara de Lisboa, tendo sido reeleito em 1993.

Na sua passagem pela ONU, foi nomeado em 2006 pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas enviado especial para a Luta contra a Tuberculose e entre 2007 e 2013 foi alto representante para a Aliança das Civilizações.

Numa mensagem de condolências dirigida à família e ao povo português, o Presidente João Lourenço manifestou “profundo sentimento de pesar” pelo falecimento do antigo Presidente da República Portuguesa.

Mensagem do PR

O Vice-presidente da República, Bornito de Sousa, entregou hoje, na capital portuguesa, uma mensagem do Presidente João Lourenço ao Chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa.

O encontro do Vice-presidente da República com o Estadista português decorreu no Palácio de Belém, em Lisboa, na presença do embaixador angolano em Portugal, Carlos Alberto Saraiva de Carvalho Fonseca.

 

Bornito de Sousa participou, na capital portuguesa, nas exéquias do ex-Presidente português, falecido sábado aos 81 anos, em representação do Chefe de Estado angolano, João Lourenço.

O Vice-presidente da República ressaltou, na ocasião, a importância de Jorge Sampaio, no processo de pacificação de Angola.

Distintas personalidades internacionais como o rei de Espanha, o primeiro-ministro de Cabo Verde e o presidente do Parlamento de Timor Leste, entre outras, marcaram também presença no último adeus ao antigo Presidente da República portuguesa.

O funeral de Jorge Sampaio foi marcado por discursos emocionantes de familiares e autoridades, que destacaram a importância e legado democrático do político.

Recordaram momentos enfrentados pelo político "nos dias cinzentos e de chumbo da ditadura".

As cerimónias fúnebres foram pensadas para combinar as honras de Estado de um ex-Presidente da República com algumas características da sua personalidade e do seu percurso político.

O antigo Presidente foi relembrado como uma das mais proeminentes figuras políticas da sua geração e pelos  destacados cargos desempenhados na ONU.

O seu funeral foi o segundo em tempos de democracia naquele país europeu com honras de Estado. O primeiro teve lugar em Janeiro de 2017 quando morreu Mario Soares, também antigo Estadista luso.

O velório de Jorge Sampaio decorreu no antigo picadeiro real em Belém, com a cerimónia a ter lugar no claustro do Mosteiro dos Jerónimos e o funeral no cemitério do Alto de São João, em Lisboa.

O Governo português decretou três dias de luto nacional, entre sábado e segunda-feira, pela morte do antigo Presidente da República.

Jorge Fernando Branco de Sampaio, que nasceu em Lisboa, em 1939, foi Presidente da República portuguesa durante dois mandatos, entre 1996 e 2006. 

Em 1989, foi eleito líder do Partido Socialista e na mesma altura presidente da Câmara de Lisboa, tendo sido reeleito em 1993.

Na sua passagem pela ONU, foi nomeado em 2006 pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas enviado especial para a Luta contra a Tuberculose e entre 2007 e 2013 foi alto representante para a Aliança das Civilizações.

Numa mensagem de condolências dirigida à família e ao povo português, o Presidente João Lourenço manifestou “profundo sentimento de pesar” pelo falecimento do antigo Presidente da República Portuguesa.

Mensagem do PR

O Vice-presidente da República, Bornito de Sousa, entregou hoje, na capital portuguesa, uma mensagem do Presidente João Lourenço ao Chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa.

O encontro do Vice-presidente da República com o Estadista português decorreu no Palácio de Belém, em Lisboa, na presença do embaixador angolano em Portugal, Carlos Alberto Saraiva de Carvalho Fonseca.