Vice-presidente do MPLA quer meritocracia na ascensão política  

  • Vice-presidente do MPLA, Luísa Damião
Bailundo – A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, exortou hoje, sexta-feira, no município do Bailundo (Huambo), a necessidade dos militantes apostarem na meritocracia para ascensão política, servindo melhor a população.

Discursando na abertura do I Encontro dos Secretariados das Comissões Executivas dos organismos intermédios das províncias do Huambo, Cuanza Sul, Bié e Benguela, que decorre na vila municipal do Bailundo, referiu que ser do MPLA deve, necessariamente, significar "um servidor de Angola e dos angolanos".

Por esta razão, conforme a vice-presidente do MPLA, é importante que os militantes, dirigentes e quadros, estejam mais engajados no trabalho organizativo e de mobilização política permanente.

“Este contributo exige dos militantes a não estarem no muro à espera de oportunidades imerecidas, sem meritocracia no domínio político, daí a razão de serem leais e exemplares na defesa da causa do partido e do seu líder”, salientou.

A respeito do encontro, Luísa Damião disse que esta iniciativa, na qual participam os secretários das provinciais do Huambo, Bié, Benguela e Cuanza Sul, visa fortalecer cada vez mais as estruturas de base com ideais fixas que sempre nortearam o MPLA, pugnando pela resolução dos problemas e aspirações da população angolana.

Já a primeira secretária do MPLA no Huambo, Lotti Nolika, ressaltou a importância do encontro para melhoria da acção política e governativa, tendo o povo no centro das prioridades.

À margem do encontro, Luísa Damião deslocou-se à Ombala do reino do Bailundo, onde manteve um encontro com a corte local.

O programa de Luísa Damião, que se encontra no Huambo desde quinta-feira, testemunhou o lançamento da III edição do programa “Termómetro” e concedeu audiência aos representantes da sociedade civil, além de ter orientando uma assembleia de militantes no município da Caála.  

Discursando na abertura do I Encontro dos Secretariados das Comissões Executivas dos organismos intermédios das províncias do Huambo, Cuanza Sul, Bié e Benguela, que decorre na vila municipal do Bailundo, referiu que ser do MPLA deve, necessariamente, significar "um servidor de Angola e dos angolanos".

Por esta razão, conforme a vice-presidente do MPLA, é importante que os militantes, dirigentes e quadros, estejam mais engajados no trabalho organizativo e de mobilização política permanente.

“Este contributo exige dos militantes a não estarem no muro à espera de oportunidades imerecidas, sem meritocracia no domínio político, daí a razão de serem leais e exemplares na defesa da causa do partido e do seu líder”, salientou.

A respeito do encontro, Luísa Damião disse que esta iniciativa, na qual participam os secretários das provinciais do Huambo, Bié, Benguela e Cuanza Sul, visa fortalecer cada vez mais as estruturas de base com ideais fixas que sempre nortearam o MPLA, pugnando pela resolução dos problemas e aspirações da população angolana.

Já a primeira secretária do MPLA no Huambo, Lotti Nolika, ressaltou a importância do encontro para melhoria da acção política e governativa, tendo o povo no centro das prioridades.

À margem do encontro, Luísa Damião deslocou-se à Ombala do reino do Bailundo, onde manteve um encontro com a corte local.

O programa de Luísa Damião, que se encontra no Huambo desde quinta-feira, testemunhou o lançamento da III edição do programa “Termómetro” e concedeu audiência aos representantes da sociedade civil, além de ter orientando uma assembleia de militantes no município da Caála.