JMPLA reprova desacatos à lei

Soyo - O primeiro secretário nacional da JMPLA, Crispiniano dos Santos, afirmou, quinta-feira, no Soyo, província do Zaire, que as manifestações que desrespeitam as normas constitucionais constituem desacatos às autoridades e à lei.

Em declarações à imprensa, no final da jornada de dois dias ao Zaire, o político sublinhou que as manifestações estão previstas na Constituição de Angola e devem ser feitas de forma pacífica, sem arruaças e desordem.

“As manifestações devem obedecer a lei, solicitações e autorizações. O que tem acontecido, em alguns casos, são actos de vandalismo, que danificam os bens públicos”, frisou.

Pediu aos jovens para não confundirem a liberdade de opinião com  ofensas às autoridades e aos órgãos de soberania do país.

Aconselhou, por isso, a juventude angolana, e, em particular os membros da JMPLA, a continuarem a promover os valores culturais, cívicos e morais, no sentido de salvaguardar o respeito pelas famílias.

A aposta na formação académica e técnico-profissional, no empreendedorismo, aproveitando as diversas políticas de incentivo criadas pelo Executivo foi o caminho sugerido por Crispiniano dos Santos.

Disse ser a única maneira de os jovens se distanciarem de actos ilícitos e anti-sociais como a delinquência, o uso de drogas, o consumo excessivo de álcool, a prostituição, entre outros.

O primeiro secretário nacional da JMPLA cumpriu uma agenda de trabalho de três dias no Zaire, que teve início na capital da província, Mbana Kongo.

Em declarações à imprensa, no final da jornada de dois dias ao Zaire, o político sublinhou que as manifestações estão previstas na Constituição de Angola e devem ser feitas de forma pacífica, sem arruaças e desordem.

“As manifestações devem obedecer a lei, solicitações e autorizações. O que tem acontecido, em alguns casos, são actos de vandalismo, que danificam os bens públicos”, frisou.

Pediu aos jovens para não confundirem a liberdade de opinião com  ofensas às autoridades e aos órgãos de soberania do país.

Aconselhou, por isso, a juventude angolana, e, em particular os membros da JMPLA, a continuarem a promover os valores culturais, cívicos e morais, no sentido de salvaguardar o respeito pelas famílias.

A aposta na formação académica e técnico-profissional, no empreendedorismo, aproveitando as diversas políticas de incentivo criadas pelo Executivo foi o caminho sugerido por Crispiniano dos Santos.

Disse ser a única maneira de os jovens se distanciarem de actos ilícitos e anti-sociais como a delinquência, o uso de drogas, o consumo excessivo de álcool, a prostituição, entre outros.

O primeiro secretário nacional da JMPLA cumpriu uma agenda de trabalho de três dias no Zaire, que teve início na capital da província, Mbana Kongo.