Ministro apela à conjugação de esforços no combate aos crimes transfronteiriços

  • Ministro do Interior, Eugénio Laborinho (arquivo)
Soyo – O ministro do Interior, Eugénio Laborinho, apelou, nesta sexta-feira, no Soyo, província do Zaire, à conjugação de acções entre o sector que dirige e outros órgãos do Estado para o combate aos crimes transfronteiriços, com destaque para a imigração ilegal e o contrabando de combustível.

Em declarações à imprensa, no final da visita de algumas horas ao Soyo, onde procedeu ao lançamento da primeira pedra para a construção de uma esquadra que vai albergar todos os órgãos afectos ao sector, o ministro prometeu trabalhar com o Governo Provincial do Zaire e outros órgãos afins para desencorajar estas acções.

Na ocasião, o governante reconheceu existir algumas fragilidades ao longo da fronteira  fluvial com a República Democrática do Congo (RDC), devido  à complexidade geográfica do município do Soyo, rodeado por 125 ilhas navegáveis.

“Aqui no porto de Kimbumba, por exemplo, há um movimento frenético de cidadãos nacionais e estrangeiros. Por isso, pedimos que haja uma acção combinada entre a Polícia Fiscal, AGT e outras forças, e apelo à população para colaborar com as autoridades, denunciando os prevaricadores”, salientou.  

A província do Zaire, norte de Angola, partilha 310 quilómetros de fronteira com a RDC, dos quais 120 de fronteira terrestre e 190 quilómetros de fluvial, através do rio Zaire.

Em declarações à imprensa, no final da visita de algumas horas ao Soyo, onde procedeu ao lançamento da primeira pedra para a construção de uma esquadra que vai albergar todos os órgãos afectos ao sector, o ministro prometeu trabalhar com o Governo Provincial do Zaire e outros órgãos afins para desencorajar estas acções.

Na ocasião, o governante reconheceu existir algumas fragilidades ao longo da fronteira  fluvial com a República Democrática do Congo (RDC), devido  à complexidade geográfica do município do Soyo, rodeado por 125 ilhas navegáveis.

“Aqui no porto de Kimbumba, por exemplo, há um movimento frenético de cidadãos nacionais e estrangeiros. Por isso, pedimos que haja uma acção combinada entre a Polícia Fiscal, AGT e outras forças, e apelo à população para colaborar com as autoridades, denunciando os prevaricadores”, salientou.  

A província do Zaire, norte de Angola, partilha 310 quilómetros de fronteira com a RDC, dos quais 120 de fronteira terrestre e 190 quilómetros de fluvial, através do rio Zaire.