Aberta campanha nacional integrada de vacinação

  • Decorre campanha integrada de vacinação contra a pólio e suplemento da vitamina A
Luanda – Mais de um milhão e 800 mil petizes, menores de cinco anos de idades, começaram a ser vacinados nesta sexta-feira, nas províncias de Luanda, Cuanza Norte e Cuanza Sul, contra a poliomielite, vitamina A e sarampo.

Trata-se da conclusão da terceira fase da campanha nacional, lançada no município do Cazenga, para imunizar um milhão e 300 mil crianças, em Luanda, 112 mil e 34, no Cuanza Sul, e 230 mil 239 menores, no Cuanza Norte, até 12 deste mês.

Devido a situação da Covid-19, a campanha decorre por fases, cumprindo todas as medidas de biossegurança necessárias. A campanha foi já realizada, nas duas primeiras fases, em 15 províncias.

A ministra de Estado para a Área Social , Carolina Cerqueira, referiu, no acto de lançamento, que esta campanha é diferente das habituais da pólio, em que os vacinadores se deslocavam de casa em casa.

"Nesta vacinação o familiar tem que levar as crianças menores de cinco anos às unidades sanitárias e aos postos avançados de vacinação nos bairros", explicou a governante.

Segundo Carolina Cerqueira, este é um compromisso inscrito no programa do governo, que prioriza a universalização do acesso às vacinas, com vista à redução da mortalidade infantil, ainda elevada entre os menores de cinco anos.

O Ministério da Saúde oferece, de forma gratuita, 12 vacinas de rotina numa rede de mil 630 unidades sanitárias para proteger crianças contra 13 doenças da infância, vacinas pagas na totalidade com o recurso ao Orçamento Geral do Estado.  

Estiveram presentes na abertura da campanha, a governadora de Luanda, Joana Lina, a ministra da Saúde, Silvia Lutucuta e membros da direcção provincial da Saúde.

A campanha de vacinação em Angola é apoiada pela OMS, Fundação Bill e Melinda Gates através da OMS, Unicef USAID e o governo do Japão.

Trata-se da conclusão da terceira fase da campanha nacional, lançada no município do Cazenga, para imunizar um milhão e 300 mil crianças, em Luanda, 112 mil e 34, no Cuanza Sul, e 230 mil 239 menores, no Cuanza Norte, até 12 deste mês.

Devido a situação da Covid-19, a campanha decorre por fases, cumprindo todas as medidas de biossegurança necessárias. A campanha foi já realizada, nas duas primeiras fases, em 15 províncias.

A ministra de Estado para a Área Social , Carolina Cerqueira, referiu, no acto de lançamento, que esta campanha é diferente das habituais da pólio, em que os vacinadores se deslocavam de casa em casa.

"Nesta vacinação o familiar tem que levar as crianças menores de cinco anos às unidades sanitárias e aos postos avançados de vacinação nos bairros", explicou a governante.

Segundo Carolina Cerqueira, este é um compromisso inscrito no programa do governo, que prioriza a universalização do acesso às vacinas, com vista à redução da mortalidade infantil, ainda elevada entre os menores de cinco anos.

O Ministério da Saúde oferece, de forma gratuita, 12 vacinas de rotina numa rede de mil 630 unidades sanitárias para proteger crianças contra 13 doenças da infância, vacinas pagas na totalidade com o recurso ao Orçamento Geral do Estado.  

Estiveram presentes na abertura da campanha, a governadora de Luanda, Joana Lina, a ministra da Saúde, Silvia Lutucuta e membros da direcção provincial da Saúde.

A campanha de vacinação em Angola é apoiada pela OMS, Fundação Bill e Melinda Gates através da OMS, Unicef USAID e o governo do Japão.