Lunda Sul: Testes rápidos para viagem rendem AKZ seis milhões

  • Lunda Sul: Vista parcial da Cidade de Saurimo
Saurimo - Seis milhões de Kwanzas foram arrecadados pela Comissão Provincial de resposta rápida à Covid-19, na Lunda Sul, de Outubro à presente data, na realização de testes rápidos para viagens.

Ao abrigo do Decreto Presidencial n.º 256/20, de 8 de Outubro, sobre a Situação de Calamidade Pública, o Estado deixa de suportar a totalidade dos custos dos testes para as viagens a título individual e para as pessoas que pretendem saber do seu estado.

A informação foi avançada segunda-feira, à imprensa pelo coordenador adjunto da comissão de resposta rápida a pandemia na Lunda Sul, Viegas de Almeida, quando actualizava a situação epidemiológica na região.

Foram igualmente canalizados, para a Conta Única do Tesouro (CUT), mais de um milhão de Kwanzas, resultantes das multas do incumprimento das medidas de biossegurança e violação da cerca sanitária.

Por outro lado, o responsável informou que devido ao facto do Projecto Luaxe registar 15 casos positivos, de 150 amostras colhidas na semana finda, a comissão decretou desde sábado último, cerca sanitária, com vista a cortar a cadeia de transmissão.

Atendendo os cinco casos da doença recentemente registados na Mina de Catoca, a comissão começou hoje a colher 1.500 amostras com zaragatoas, para serem enviadas ao Laboratório Regional de Biologia Molecular no Dundo (Lunda Norte) para o teste de RT-PCR, com vista a aferir a situação epidemiológica do recinto.

Viegas de Almeida afirmou que dos 35 funcionários dos órgãos de comunicação social na província, nomeadamente da ANGOP, Televisão Pública de Angola (TPA), rádios Nacional de Angola e Eclésia, testados na semana passada, três resultaram positivos e fazem já a terapia ao domicílio, por serem assintomáticos.

“Infelizmente, os casos positivos vão-se tornando assustadores na Lunda Sul, por este facto, reitero a mudança de comportamento por parte da população, na observância rigorosa das medidas de biossegurança” aconselhou.

Até domingo (dia dez), a Lunda Sul registava 235 casos positivos, sendo 58 activos, 174 recuperados. Até então, contabilizava três óbitos.

Ao abrigo do Decreto Presidencial n.º 256/20, de 8 de Outubro, sobre a Situação de Calamidade Pública, o Estado deixa de suportar a totalidade dos custos dos testes para as viagens a título individual e para as pessoas que pretendem saber do seu estado.

A informação foi avançada segunda-feira, à imprensa pelo coordenador adjunto da comissão de resposta rápida a pandemia na Lunda Sul, Viegas de Almeida, quando actualizava a situação epidemiológica na região.

Foram igualmente canalizados, para a Conta Única do Tesouro (CUT), mais de um milhão de Kwanzas, resultantes das multas do incumprimento das medidas de biossegurança e violação da cerca sanitária.

Por outro lado, o responsável informou que devido ao facto do Projecto Luaxe registar 15 casos positivos, de 150 amostras colhidas na semana finda, a comissão decretou desde sábado último, cerca sanitária, com vista a cortar a cadeia de transmissão.

Atendendo os cinco casos da doença recentemente registados na Mina de Catoca, a comissão começou hoje a colher 1.500 amostras com zaragatoas, para serem enviadas ao Laboratório Regional de Biologia Molecular no Dundo (Lunda Norte) para o teste de RT-PCR, com vista a aferir a situação epidemiológica do recinto.

Viegas de Almeida afirmou que dos 35 funcionários dos órgãos de comunicação social na província, nomeadamente da ANGOP, Televisão Pública de Angola (TPA), rádios Nacional de Angola e Eclésia, testados na semana passada, três resultaram positivos e fazem já a terapia ao domicílio, por serem assintomáticos.

“Infelizmente, os casos positivos vão-se tornando assustadores na Lunda Sul, por este facto, reitero a mudança de comportamento por parte da população, na observância rigorosa das medidas de biossegurança” aconselhou.

Até domingo (dia dez), a Lunda Sul registava 235 casos positivos, sendo 58 activos, 174 recuperados. Até então, contabilizava três óbitos.