Covid-19: Cinco mil pessoas por apanhar segunda dose da vacina

  • Fraca adesão ao centro de campanha de vacinação contra o COVID-19 no Cunene
Ondjiva – Cinco mil e 363 pessoas na província do Cunene estão por apanhar, até ao dia 22 deste mês, a segunda dose da vacina contra á Covid-19, um número superior em relação à previsão.

A segunda fase da campanha de vacinação no Cunene  decorre desde o dia 24 de Maio, tendo abrangido sete mil e seis pessoas, um número inferior, quando faltam poucos dias para terminar a segunda fase.

Em declarações hoje à Angop, o porta-voz da Comissão Multissectorial de Combate à Covid-19 no Cunene, Félix Belarmino, lembrou que 12 mil e 369 pessoas receberam a primeira dose, devendo tomar a segunda para estarem imunizados.

Informou que o posto de vacinação instalado na Casa da Juventude continua a receber pouca afluência de cidadãos que deviam completar a dose, mesmo com as acções de sensibilização que têm sido levada a cabo pelo Gabinete provincial da Saúde e parceiros.

Informou que na próxima sexta-feira, a Comissão vai reunir para fazer avaliação e, se a situação continuar, serão priorizados outros grupos alvo, que deverão apanhar a primeira dose.

Félix Belarmino disse que as instituições devem obrigar os seus funcionários a apanhar a vacina, como forma de colaborarem no combate à doença.

Actualmente a província do Cunene conta com 303 casos confirmados, dos quais 288 recuperados, sete activos e oito óbitos.

 

A segunda fase da campanha de vacinação no Cunene  decorre desde o dia 24 de Maio, tendo abrangido sete mil e seis pessoas, um número inferior, quando faltam poucos dias para terminar a segunda fase.

Em declarações hoje à Angop, o porta-voz da Comissão Multissectorial de Combate à Covid-19 no Cunene, Félix Belarmino, lembrou que 12 mil e 369 pessoas receberam a primeira dose, devendo tomar a segunda para estarem imunizados.

Informou que o posto de vacinação instalado na Casa da Juventude continua a receber pouca afluência de cidadãos que deviam completar a dose, mesmo com as acções de sensibilização que têm sido levada a cabo pelo Gabinete provincial da Saúde e parceiros.

Informou que na próxima sexta-feira, a Comissão vai reunir para fazer avaliação e, se a situação continuar, serão priorizados outros grupos alvo, que deverão apanhar a primeira dose.

Félix Belarmino disse que as instituições devem obrigar os seus funcionários a apanhar a vacina, como forma de colaborarem no combate à doença.

Actualmente a província do Cunene conta com 303 casos confirmados, dos quais 288 recuperados, sete activos e oito óbitos.