Covid-19: Executivo prorroga prazo de apresentação do certificado

  • Vacinação contra a Covid-19 (arquivo)
Luanda – O Executivo angolano anunciou, esta quinta-feira, a prorrogação, para 1 de Novembro, da entrada em vigor da obrigatoriedade de apresentação do certificado de vacinação em instituições e espaços públicos e privados.

A medida, que consta do Decreto Presidencial sobre o Estado de Calamidade Pública, devia entrar em vigor a partir de sexta-feira, 15, como forma de conter a propagação da pandemia.

No âmbito do combate e prevenção à Covid-19, as autoridades sanitárias recomendaram a vacinação de todos os cidadãos maiores de 18 anos, com destaque para certos grupos profissionais, nomeadamente funcionários públicos, os que prestam serviço directamente ao público, como motoristas, taxistas e moto-taxistas, bem como os que têm contacto com terceiros.

Segundo o coordenador da Comissão Multisectorial de Combate e Prevenção à Covid-19, Francisco Furtado, igualmente ministro da Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, a intenção é permitir que o maior número possível de cidadãos possam ser vacinados.

Francisco Furtado adiantou que o Executivo responde, desta forma, ao apelo dos cidadãos para a prorrogação do prazo e incentiva a presença dos abrangidos aos postos de vacinação.

Entre as actuais medidas em vigor, consta a proibição de acesso às praias e piscinas públicas.

A medida, que consta do Decreto Presidencial sobre o Estado de Calamidade Pública, devia entrar em vigor a partir de sexta-feira, 15, como forma de conter a propagação da pandemia.

No âmbito do combate e prevenção à Covid-19, as autoridades sanitárias recomendaram a vacinação de todos os cidadãos maiores de 18 anos, com destaque para certos grupos profissionais, nomeadamente funcionários públicos, os que prestam serviço directamente ao público, como motoristas, taxistas e moto-taxistas, bem como os que têm contacto com terceiros.

Segundo o coordenador da Comissão Multisectorial de Combate e Prevenção à Covid-19, Francisco Furtado, igualmente ministro da Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, a intenção é permitir que o maior número possível de cidadãos possam ser vacinados.

Francisco Furtado adiantou que o Executivo responde, desta forma, ao apelo dos cidadãos para a prorrogação do prazo e incentiva a presença dos abrangidos aos postos de vacinação.

Entre as actuais medidas em vigor, consta a proibição de acesso às praias e piscinas públicas.