Falta material de biossegurança nos hospitais da Lunda Norte

  • Ernesto Muangala, Governador da Lunda-Norte
Dundo – O presidente da Associação Nacional dos Enfermeiros de Angola (ANEA), Paulo Graça, disse, nesta quarta-feira, que a falta de material de biossegurança em algumas unidades sanitárias, limita a actuação da classe, sobretudo em pacientes com Covid-19.

O responsável, que intervinha na cerimónia simbólica que visou saudar o Dia do Enfermeiro, solicitou urgência na resolução do problema e considerou fundamental e um imperativo a melhoria permanente das condições de biossegurança nos hospitais, com vista a cortar a cadeia de transmissão do vírus na região.

Por outro lado, Paulo Graça incentivou os profissionais a aderirem às campanhas de vacinação contra a Covid-19, bem como sensibilizarem a população a cumprirem rigorosamente as medidas de biossegurança.

Por seu turno, o governador da Lunda Norte, Ernesto Muangala, orientou as direcções das unidades sanitárias a priorizarem, na gestão dos seus orçamentos, a aquisição do material de biossegurança e evitar que haja ruptura.

“Não vamos permitir que num momento como este ainda falte material de biossegurança nos hospitais, questões que podem e devem ser resolvidas pelas direcções dos hospitais porque recebem orçamentos”, alertou.

Apelou aos enfermeiros no sentido de continuarem a desempenhar as suas funções com profissionalismo e humanismo, cuidando dos pacientes com dignidade, independentemente da sua condição social.

A província da Lunda Norte regista 239 casos positivos, dos quais quatro mortos, 236 recuperados e nenhum activo.

O responsável, que intervinha na cerimónia simbólica que visou saudar o Dia do Enfermeiro, solicitou urgência na resolução do problema e considerou fundamental e um imperativo a melhoria permanente das condições de biossegurança nos hospitais, com vista a cortar a cadeia de transmissão do vírus na região.

Por outro lado, Paulo Graça incentivou os profissionais a aderirem às campanhas de vacinação contra a Covid-19, bem como sensibilizarem a população a cumprirem rigorosamente as medidas de biossegurança.

Por seu turno, o governador da Lunda Norte, Ernesto Muangala, orientou as direcções das unidades sanitárias a priorizarem, na gestão dos seus orçamentos, a aquisição do material de biossegurança e evitar que haja ruptura.

“Não vamos permitir que num momento como este ainda falte material de biossegurança nos hospitais, questões que podem e devem ser resolvidas pelas direcções dos hospitais porque recebem orçamentos”, alertou.

Apelou aos enfermeiros no sentido de continuarem a desempenhar as suas funções com profissionalismo e humanismo, cuidando dos pacientes com dignidade, independentemente da sua condição social.

A província da Lunda Norte regista 239 casos positivos, dos quais quatro mortos, 236 recuperados e nenhum activo.