Covid-19: JMPLA reitera apelo ao cumprimento das medidas de biossegurança

  • The Covid-19 virus
Huambo - O primeiro secretário da JMPLA no Huambo, João Kalupeteka, reiterou, esta segunda-feira, o apelo aos militantes para continuarem a sensibilizar as comunidades sobre o cumprimento das medidas de biossegurança, para a contenção da programação da Covid-19.

O responsável, que falava durante a II sessão plenária e extraordinária da organização juvenil do MPLA, considera preocupante a situação epidemiológica da província do Huambo, com o aumentode infecções e, acima de tudo, de mortes.

Até ao momento, o quadro epidemiológico da província do Huambo reporta dois mil e 71 casos, com mil e 781 recuperados, 90 óbitos e 200 em tratamento institucional e domiciliar.

Esta realidade, conforme João Kalupeteka, está a comprometer, não apenas a vida da população, como o desenvolvimento do país, devido aos efeitos negativos que causa aos sectores sociais económicos.

Disse ser necessário que os militantes da JMPLA  estejam mais engajados na mobilização da população sobre a importância do cumprimento das medidas de biossegurança impostas pelas autoridades sanitárias, para a prevenção e redução da propagação da pandemia na região.

“É preciso que a JMPLA, no quadro das suas responsabilidades sociais, abrace seriamente o desafio de combate à Covid-19, de modo a permitir que  o país  e os angolanos voltem, o mais rápido possível, à normalidade, com o relançamento das estratégias de desenvolvimento”, salientou.

 

 

O responsável, que falava durante a II sessão plenária e extraordinária da organização juvenil do MPLA, considera preocupante a situação epidemiológica da província do Huambo, com o aumentode infecções e, acima de tudo, de mortes.

Até ao momento, o quadro epidemiológico da província do Huambo reporta dois mil e 71 casos, com mil e 781 recuperados, 90 óbitos e 200 em tratamento institucional e domiciliar.

Esta realidade, conforme João Kalupeteka, está a comprometer, não apenas a vida da população, como o desenvolvimento do país, devido aos efeitos negativos que causa aos sectores sociais económicos.

Disse ser necessário que os militantes da JMPLA  estejam mais engajados na mobilização da população sobre a importância do cumprimento das medidas de biossegurança impostas pelas autoridades sanitárias, para a prevenção e redução da propagação da pandemia na região.

“É preciso que a JMPLA, no quadro das suas responsabilidades sociais, abrace seriamente o desafio de combate à Covid-19, de modo a permitir que  o país  e os angolanos voltem, o mais rápido possível, à normalidade, com o relançamento das estratégias de desenvolvimento”, salientou.