Covid-19: Militantes da JMPLA devem tornar-se activistas da saúde

  • Ilustração do  Covid-19
Saurimo – O segundo secretário provincial do MPLA na Lunda Sul, Mário Luandanda, reiterou hoje, segunda-feira, a necessidade dos militantes da JMPLA tornarem-se activistas da saúde, no combate à pandemia da Covid-19, disseminando informações de prevenção nas comunidades.

O político fez esse apelo quando falava no acto de comemoração do 58º aniversário da JMPLA, que se assinala hoje, sublinhando a necessidade do engajamento dos jovens nos esforços que visam travar a propagação da doença, com a criação de estratégias de consciencialização sobre o perigo que a mesma representa.

Mário Luandanda lembrou que, apesar dos esforços que os vários países vêm envidado, ainda não há cura efectiva da pandemia, daí a razão da contínua prevenção, que passa pela lavagem e desinfecção regular das mãos, uso de máscaras faciais, distanciamento físico e outras medidas.

Realçou que urge as pessoas adaptar-se a essa realidade, pois ainda é prematuro pensar na erradicação da doença, tendo em conta a subida diária dos casos no mundo e em Angola, em particular.

“Se todos cumprirem com a prevenção será possível minimizar os efeitos da doença, por isso, a JMPLA, a OMA, militantes do partido em geral e não só devem reforçar essa mensagem nas comunidades, porque o melhor medicamento é a prevenção”, frisou.

Por outro lado, Mário Luandanda pediu a mobilização da massa militante da JMPLA e não só nas tarefas de higienização, embelezamento e preservação dos bens públicos, bem como o seu envolvimento noutras actividades que concorrem para o desenvolvimento da província da Lunda Sul, pautando-se sempre pela urbanidade, harmonia e respeito.

O combate à corrupção, à impunidade, ao nepotismo e à bajulação devem, no seu entender, estar no centro das atenções da juventude, com vista a edificação de uma Angola cada vez mais próspera, onde prevaleça a meritocracia.

A JMPLA foi fundada a 23 de Novembro de 1962, em Leopodoville (Kinshasa), actual capital da República Democrática do Congo (RDC).                

 

O político fez esse apelo quando falava no acto de comemoração do 58º aniversário da JMPLA, que se assinala hoje, sublinhando a necessidade do engajamento dos jovens nos esforços que visam travar a propagação da doença, com a criação de estratégias de consciencialização sobre o perigo que a mesma representa.

Mário Luandanda lembrou que, apesar dos esforços que os vários países vêm envidado, ainda não há cura efectiva da pandemia, daí a razão da contínua prevenção, que passa pela lavagem e desinfecção regular das mãos, uso de máscaras faciais, distanciamento físico e outras medidas.

Realçou que urge as pessoas adaptar-se a essa realidade, pois ainda é prematuro pensar na erradicação da doença, tendo em conta a subida diária dos casos no mundo e em Angola, em particular.

“Se todos cumprirem com a prevenção será possível minimizar os efeitos da doença, por isso, a JMPLA, a OMA, militantes do partido em geral e não só devem reforçar essa mensagem nas comunidades, porque o melhor medicamento é a prevenção”, frisou.

Por outro lado, Mário Luandanda pediu a mobilização da massa militante da JMPLA e não só nas tarefas de higienização, embelezamento e preservação dos bens públicos, bem como o seu envolvimento noutras actividades que concorrem para o desenvolvimento da província da Lunda Sul, pautando-se sempre pela urbanidade, harmonia e respeito.

O combate à corrupção, à impunidade, ao nepotismo e à bajulação devem, no seu entender, estar no centro das atenções da juventude, com vista a edificação de uma Angola cada vez mais próspera, onde prevaleça a meritocracia.

A JMPLA foi fundada a 23 de Novembro de 1962, em Leopodoville (Kinshasa), actual capital da República Democrática do Congo (RDC).