Covid-19: Minsa reitera atenção nas províncias fronteiriças

  • Ministra da saúde, Sílvia Lutucuta
Dundo – Com o aumento de casos positivos da Covid-19 na República Democrática do Congo, os investimentos do Governo angolano, no sector da Saúde, no actual cenário epidemiológico, vão, em princípio, priorizar as províncias que fazem fronteira com este país vizinho, com vista a travar a propagação da pandemia.

O compromisso foi reiterado hoje, sexta-feira, pela ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, no acto de inauguração do Laboratório Regional da Lunda Norte, com a capacidade de realizar dois mil testes/dia e que atenderá também as províncias da Lunda Sul, Moxico e Malanje.

Desde o surgimento da Covid-19 em Angola, em Março do ano em curso, o Governo angolano criou condições para a instalação de hospitais de campanha nas províncias que fazem fronteira com a República Democrática do Congo (Cabinda, Zaire, Uíge e Lunda Norte) e com a Namíbia (Cunene), para o internamento e tratamento de pacientes.

Estão já em funcionamento, os hospitais de Cabinda (200 camas), Lunda Norte (200 camas) e Zaire (80 camas) e em construção estão os do Cunene (200) e Uíge (100 camas), perfazendo um total de 780 camas.

O Estado investiu, igualmente, para fazer face a Covid-19, sete milhões de dólares norte-americanos, para aquisição e instalação de cinco laboratórios nas províncias do Huambo, Luanda, Lunda Norte e Uíge, com uma capacidade total de realizar oito mil testes/dia.

“As províncias que fazem fronteira com a República Democrática do Congo, sobretudo, merecem uma atenção especial, pela sua extensão fronteiriça e o grau de vulnerabilidade que as mesmas apresentam. Por isso, estamos a fazer estes investimentos para dar resposta ao actual e um possível cenário epidemiológico”, sublinhou

Sílvia Lutucuta avançou que o Estado angolano continuará “firme” no combate a pandemia da Covid-19, aumentando a capacidade de testagem e o reforço da vigilância epidemiológica.

Por outro lado, afirmou que a entrada em funcionamento do laboratório da Lunda Norte vai alterar o quadro epidemiológico da região leste, permitindo as autoridades terem um maior controlo da pandemia.

A província da Lunda Norte tem o registo de 57 casos positivos, sendo 56 activos e um recuperado. 

 

O compromisso foi reiterado hoje, sexta-feira, pela ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, no acto de inauguração do Laboratório Regional da Lunda Norte, com a capacidade de realizar dois mil testes/dia e que atenderá também as províncias da Lunda Sul, Moxico e Malanje.

Desde o surgimento da Covid-19 em Angola, em Março do ano em curso, o Governo angolano criou condições para a instalação de hospitais de campanha nas províncias que fazem fronteira com a República Democrática do Congo (Cabinda, Zaire, Uíge e Lunda Norte) e com a Namíbia (Cunene), para o internamento e tratamento de pacientes.

Estão já em funcionamento, os hospitais de Cabinda (200 camas), Lunda Norte (200 camas) e Zaire (80 camas) e em construção estão os do Cunene (200) e Uíge (100 camas), perfazendo um total de 780 camas.

O Estado investiu, igualmente, para fazer face a Covid-19, sete milhões de dólares norte-americanos, para aquisição e instalação de cinco laboratórios nas províncias do Huambo, Luanda, Lunda Norte e Uíge, com uma capacidade total de realizar oito mil testes/dia.

“As províncias que fazem fronteira com a República Democrática do Congo, sobretudo, merecem uma atenção especial, pela sua extensão fronteiriça e o grau de vulnerabilidade que as mesmas apresentam. Por isso, estamos a fazer estes investimentos para dar resposta ao actual e um possível cenário epidemiológico”, sublinhou

Sílvia Lutucuta avançou que o Estado angolano continuará “firme” no combate a pandemia da Covid-19, aumentando a capacidade de testagem e o reforço da vigilância epidemiológica.

Por outro lado, afirmou que a entrada em funcionamento do laboratório da Lunda Norte vai alterar o quadro epidemiológico da região leste, permitindo as autoridades terem um maior controlo da pandemia.

A província da Lunda Norte tem o registo de 57 casos positivos, sendo 56 activos e um recuperado.