Covid-19: Paz Flor com movimento intenso de cidadãos

  • Vacinação contra a Covid-19
Luanda - O centro de vacinação Paz Flor, na província de Luanda, registou, nesta quinta-feira, um movimento incomum de cidadãos à procura da vacina contra a Covid-19.

Em dia marcado para o fim da administração da segunda dose da vacina da Astrazeneca, o posto recebeu uma moldura humana considerável só comparável aos primeiros dias do início do processo de vacinação em Angola.

Até ao meio dia, segundo a coordenadora do centro de vacinação, Felismina Neto, haviam sido vacinados mais de 10 mil pessoas com a segunda dose.

Felismina Neto considerou positivo o processo de vacinação por ter uma grande aderência de pessoas em busca de imunidade.

Noutra vertente, a responsável aproveitou a oportunidade para tranquilizar os cidadãos que, erradamente, lhes foram administrada uma vacina diferente da recebida na primeira dose, adiantando não haver efeitos colaterais.

Em Luanda, para além do Paz Flor, estão, igualmente, abertos os postos de vacinação do   Magistério Mutu-ya-Kevela, Complexo da Cidadela e na Casa da Juventude.

Dados disponíveis indicam que, até quarta-feira, haviam sido vacinados 1.222.819 cidadãos, sendo que 774.926 apanharam a primeira dose e 447.893 a segunda dose.

O plano nacional de vacinação prevê imunizar cerca de 54 por cento da população, um total de 16.823.284 indivíduos maiores de 16 anos, e reduzir a mortalidade, o aumento de casos de Covid-19 e permitir a retoma das actividades económicas e sociais.

Para além da vacina da AstraZeneca, o país está, igualmente, a administrar as vacinas da Pfizer, Sputnik e da Sinopharm.

Angola recebeu o  primeiro lote de 624 mil vacinas da Astrazeneca/Oxford, da iniciativa Covax, a 2 de Março, e começou o processo de vacinação a 3 do mesmo mês.

Em dia marcado para o fim da administração da segunda dose da vacina da Astrazeneca, o posto recebeu uma moldura humana considerável só comparável aos primeiros dias do início do processo de vacinação em Angola.

Até ao meio dia, segundo a coordenadora do centro de vacinação, Felismina Neto, haviam sido vacinados mais de 10 mil pessoas com a segunda dose.

Felismina Neto considerou positivo o processo de vacinação por ter uma grande aderência de pessoas em busca de imunidade.

Noutra vertente, a responsável aproveitou a oportunidade para tranquilizar os cidadãos que, erradamente, lhes foram administrada uma vacina diferente da recebida na primeira dose, adiantando não haver efeitos colaterais.

Em Luanda, para além do Paz Flor, estão, igualmente, abertos os postos de vacinação do   Magistério Mutu-ya-Kevela, Complexo da Cidadela e na Casa da Juventude.

Dados disponíveis indicam que, até quarta-feira, haviam sido vacinados 1.222.819 cidadãos, sendo que 774.926 apanharam a primeira dose e 447.893 a segunda dose.

O plano nacional de vacinação prevê imunizar cerca de 54 por cento da população, um total de 16.823.284 indivíduos maiores de 16 anos, e reduzir a mortalidade, o aumento de casos de Covid-19 e permitir a retoma das actividades económicas e sociais.

Para além da vacina da AstraZeneca, o país está, igualmente, a administrar as vacinas da Pfizer, Sputnik e da Sinopharm.

Angola recebeu o  primeiro lote de 624 mil vacinas da Astrazeneca/Oxford, da iniciativa Covax, a 2 de Março, e começou o processo de vacinação a 3 do mesmo mês.