Covid-19: População quer medidas para evitar propagação da variante inglesa

  • Vacinação contra a Covid-19
Mbanza Kongo – Munícipes de Mbanza Kongo, província do Zaire, solicitaram esta quinta-feira às autoridades sanitárias locais a tomarem medidas profilácticas para se evitar a propagação da variante inglesa da Covid-19.

Entrevistados pela ANGOP afirmam que as medidas devem passar pelo reforço da fiscalização do uso correcto de máscaras em locais públicos e o distanciamento físico.

Pedem também o reforço de medidas de controlo aos cidadãos que violam a cerca sanitária de Luanda para o interior da província do Zaire.

O municípe João Garcia afirma que as autoridades sanitárias devem redobrar as acções de fiscalização para evitar o Zaire registe um aumento de casos.

Para si, as autoridades locais deveriam voltar a exigir o uso obrigatório de máscaras faciais em aglomerações populacionais e sancionar os que insistem em violar a cerca sanitária.

Repudiou o actual cenário que se regista na região, com a promoção de eventos e viagens desnecessárias como se nada estivesse a acontecer em termos da pandemia.

para o estudante Manuel Mbiyeye, com a notificação da variante inglesa urge a necessidade das autoridades sanitárias do país contemplar o Zaire com a vacina contra a Covid-19.

Segundo o jovem, actualmente verifica-se um desleixo na observância das medidas contidas no Decreto Presidencial por parte dos cidadãos e a vacina seria uma das alternativas para a prevenção desta doença altamente letal.

Para Maria Mazuela, as autoridades sanitárias locais devem redobrar as campanhas de sensibilização da população para o cumprimento rigoroso das medidas de biossegurança.

“Nós, a população devemos também colaborar com as autoridades no cumprimento das medidas. A doença não atinge só os dirigentes, mas todos nós”, asseverou.

A província do Zaire, norte de Angola, contabiliza mais de 50 casos activos, 16 óbitos e mais de 600 pacientes recuperados.  

Entrevistados pela ANGOP afirmam que as medidas devem passar pelo reforço da fiscalização do uso correcto de máscaras em locais públicos e o distanciamento físico.

Pedem também o reforço de medidas de controlo aos cidadãos que violam a cerca sanitária de Luanda para o interior da província do Zaire.

O municípe João Garcia afirma que as autoridades sanitárias devem redobrar as acções de fiscalização para evitar o Zaire registe um aumento de casos.

Para si, as autoridades locais deveriam voltar a exigir o uso obrigatório de máscaras faciais em aglomerações populacionais e sancionar os que insistem em violar a cerca sanitária.

Repudiou o actual cenário que se regista na região, com a promoção de eventos e viagens desnecessárias como se nada estivesse a acontecer em termos da pandemia.

para o estudante Manuel Mbiyeye, com a notificação da variante inglesa urge a necessidade das autoridades sanitárias do país contemplar o Zaire com a vacina contra a Covid-19.

Segundo o jovem, actualmente verifica-se um desleixo na observância das medidas contidas no Decreto Presidencial por parte dos cidadãos e a vacina seria uma das alternativas para a prevenção desta doença altamente letal.

Para Maria Mazuela, as autoridades sanitárias locais devem redobrar as campanhas de sensibilização da população para o cumprimento rigoroso das medidas de biossegurança.

“Nós, a população devemos também colaborar com as autoridades no cumprimento das medidas. A doença não atinge só os dirigentes, mas todos nós”, asseverou.

A província do Zaire, norte de Angola, contabiliza mais de 50 casos activos, 16 óbitos e mais de 600 pacientes recuperados.