Covid-19: Profissionais da saúde aderem em massa à vacinação

  • Profissionais de saúde no posto de vacinação contra a Covid-19
Luanda - O segundo dia da campanha de vacinação contra a Covid-19 ficou hoje marcado pela “grande” adesão dos profissionais da saúde no Centro de Vacinação, montado no Complexo Turístico Paz Flor, no Morro Bento, em Luanda.

Mais de mil profissionais da saúde fizeram-se presentes no local ávidos em apanhar a primeira dose da vacina, cujo processo decorre desde sábado (6), em Luanda.

Numa primeira fase, estão a ser atendidos os chamados profissionais da “linha da frente” no combate e prevenção contra a Covid-19.  

De acordo com o coordenador da Comissão Multissectorial, Pedro Sebastião, a meta é vacinar 6 mil profissionais de saúde/ dia.

Pedro Sebastião aconselha à população a levar a sério a vacina, por ser a única forma de imunização contra a Covid-19.

Dados disponíveis indicam o cadastramento de mais de 15 mil profissionais de saúde em Luanda, para serem vacinados ao logo da semana.

Depois de Luanda, vão beneficiar da vacina os profissionais da saúde das províncias de Benguela e de Cabinda. De acordo com as autoridades do sector, trata-se das três províncias do país com o maior número de casos activos de Covid-19.

Este programa, que no primeiro dia vacinou 900 profissionais da saúde, prevê atender, diariamente, seis mil pessoas, com prioridade aos  profissionais de saúde, polícias, professores e pessoas idosas.

Metas do Executivo

Numa primeira fase, o programa de vacinação abrange, 20 por cento da população angolana, totalizando 6.419.534 de pessoas com exposição contínua tais como: os profissionais de saúde, dos serviços sociais e da ordem e segurança pública, bem como pessoas com morbilidades de risco e de idade igual ou superior a 40 anos.

Angola recebeu, na terça-feira, 624 mil doses de vacina contra a Covid-19, no quadro da Iniciativa Covax.

A previsão é a vacinação de 52 por cento da população, um total de 16.823.284 de cidadãos maiores de 16 anos.

Até final de Junho, Angola prevê receber, 6.4 milhões de doses da vacina AstraZeneca ou outras disponíveis, para cobrir as necessidades da primeira etapa do Plano de Vacinação contra a Covid-19.

Manter medidas de biossegurança

A propósito, o médico de imagiologia Ângelo Rodrigo afirma que a vacina não elimina os cuidados de biossegurança a se ter com à pandemia da Covid-19.

Segundo o especialista, é um imperativo que à população continue a usar a máscara facial, a higienizar as mãos, de forma constante, bem como respeite o distanciamento físico, mesmo depois da vacinação.

O deputado Ruben Sicato convida os angolanos a não descurarem a vacina, por representar a esperança no combate à Covid-19.

“A vacina é uma resposta nas acções promovidas a nível mundial para o combate à pandemia que já ceifou a vida de milhões de pessoas. Todos quantos estiverem abrangidos no plano de vacinação devem toma-la para se tornarem imunes a doença”, reforçou o parlamentar.

Mais de mil profissionais da saúde fizeram-se presentes no local ávidos em apanhar a primeira dose da vacina, cujo processo decorre desde sábado (6), em Luanda.

Numa primeira fase, estão a ser atendidos os chamados profissionais da “linha da frente” no combate e prevenção contra a Covid-19.  

De acordo com o coordenador da Comissão Multissectorial, Pedro Sebastião, a meta é vacinar 6 mil profissionais de saúde/ dia.

Pedro Sebastião aconselha à população a levar a sério a vacina, por ser a única forma de imunização contra a Covid-19.

Dados disponíveis indicam o cadastramento de mais de 15 mil profissionais de saúde em Luanda, para serem vacinados ao logo da semana.

Depois de Luanda, vão beneficiar da vacina os profissionais da saúde das províncias de Benguela e de Cabinda. De acordo com as autoridades do sector, trata-se das três províncias do país com o maior número de casos activos de Covid-19.

Este programa, que no primeiro dia vacinou 900 profissionais da saúde, prevê atender, diariamente, seis mil pessoas, com prioridade aos  profissionais de saúde, polícias, professores e pessoas idosas.

Metas do Executivo

Numa primeira fase, o programa de vacinação abrange, 20 por cento da população angolana, totalizando 6.419.534 de pessoas com exposição contínua tais como: os profissionais de saúde, dos serviços sociais e da ordem e segurança pública, bem como pessoas com morbilidades de risco e de idade igual ou superior a 40 anos.

Angola recebeu, na terça-feira, 624 mil doses de vacina contra a Covid-19, no quadro da Iniciativa Covax.

A previsão é a vacinação de 52 por cento da população, um total de 16.823.284 de cidadãos maiores de 16 anos.

Até final de Junho, Angola prevê receber, 6.4 milhões de doses da vacina AstraZeneca ou outras disponíveis, para cobrir as necessidades da primeira etapa do Plano de Vacinação contra a Covid-19.

Manter medidas de biossegurança

A propósito, o médico de imagiologia Ângelo Rodrigo afirma que a vacina não elimina os cuidados de biossegurança a se ter com à pandemia da Covid-19.

Segundo o especialista, é um imperativo que à população continue a usar a máscara facial, a higienizar as mãos, de forma constante, bem como respeite o distanciamento físico, mesmo depois da vacinação.

O deputado Ruben Sicato convida os angolanos a não descurarem a vacina, por representar a esperança no combate à Covid-19.

“A vacina é uma resposta nas acções promovidas a nível mundial para o combate à pandemia que já ceifou a vida de milhões de pessoas. Todos quantos estiverem abrangidos no plano de vacinação devem toma-la para se tornarem imunes a doença”, reforçou o parlamentar.