Covid-19: SIC reforça conhecimentos sobre manejo de cadáveres suspeitos

                                                                          Lubango - Setenta e cinco operadores do Serviço de Investigação Criminal (SIC) na Huíla reforçaram hoje, terça-feira (24), no Lubango, conhecimentos sobre o manuseamento de cadáveres suspeitos e vítimas de Covid-19, no âmbito das medidas de prevenção contra a pandemia.

A palestra inserida nas comemorações do 44º aniversário do SIC, a ser assinalado a 28 do mês em curso, visou munir os participantes sobre processo de descontaminação das viaturas de remoção de cadáver, carros fúnebres, uso de óculos de protecção ou protectora facial, entre outra medidas.

A prelectora da acção de formação, Niurca Dias, disse que os procedimentos para os trabalhadores do SIC estão ligados a protecção individual e colectiva necessária no processo.

A também assessora para acompanhamento da Covid-19 na província da Huíla referiu que equipamentos  como a bata impermeável de mangas compridas, máscara, luvas e botas de borracha devem ser descontaminadas após cada acto e em local apropriado.

“O uso da máscara, lavagem das mãos e em caso de recolha de cadáveres têm de ter muito cuidado, daí ser necessário uma preparação prévia antes de fazer o processo de recolha de cadáver”, destacou.

Por sua vez, o porta-voz do SIC, Sebastião Vika, referiu que estão agora munidos de lições importantes ligadas a prevenção  para  os efectivos enfrentarem o desafio imposto pela Covid-19.

Nas comemorações do 44º aniversário do SIC, os efectivos da Huíla estão a realizar campanhas de sensibilização e distribuição de material de biossegurança (máscaras faciais e sabão) para feirantes mais vulneráveis do mercado informal, assim como visitas a trabalhadores adoentados.

Têm programado ainda uma campanha de limpeza e embelezamento de algumas artérias da cidade e visita ao lar dos idosos.

A Huíla conta com 320 efectivos do Serviço de Investigação Criminal. Até agora a província tem um registo de 378 casos positivos, com 118 recuperados, 12 óbitos e os restantes assintomáticos.

A palestra inserida nas comemorações do 44º aniversário do SIC, a ser assinalado a 28 do mês em curso, visou munir os participantes sobre processo de descontaminação das viaturas de remoção de cadáver, carros fúnebres, uso de óculos de protecção ou protectora facial, entre outra medidas.

A prelectora da acção de formação, Niurca Dias, disse que os procedimentos para os trabalhadores do SIC estão ligados a protecção individual e colectiva necessária no processo.

A também assessora para acompanhamento da Covid-19 na província da Huíla referiu que equipamentos  como a bata impermeável de mangas compridas, máscara, luvas e botas de borracha devem ser descontaminadas após cada acto e em local apropriado.

“O uso da máscara, lavagem das mãos e em caso de recolha de cadáveres têm de ter muito cuidado, daí ser necessário uma preparação prévia antes de fazer o processo de recolha de cadáver”, destacou.

Por sua vez, o porta-voz do SIC, Sebastião Vika, referiu que estão agora munidos de lições importantes ligadas a prevenção  para  os efectivos enfrentarem o desafio imposto pela Covid-19.

Nas comemorações do 44º aniversário do SIC, os efectivos da Huíla estão a realizar campanhas de sensibilização e distribuição de material de biossegurança (máscaras faciais e sabão) para feirantes mais vulneráveis do mercado informal, assim como visitas a trabalhadores adoentados.

Têm programado ainda uma campanha de limpeza e embelezamento de algumas artérias da cidade e visita ao lar dos idosos.

A Huíla conta com 320 efectivos do Serviço de Investigação Criminal. Até agora a província tem um registo de 378 casos positivos, com 118 recuperados, 12 óbitos e os restantes assintomáticos.