Covid-19: Vacina obrigatória a partir de hoje

  • Ministra da Saúde, Silvia Lutucuta
Luanda – A vacinação contra a Covid-19 e a apresentação do respectivo certificado de vacina passam a ser obrigatórios em Angola, a partir desta sexta-feira (10), para todos os funcionários públicos, privados e dos órgãos de defesa e segurança.

A medida, constante do novo Decreto Presidencial sobre a Situação de Calamidade Pública, visa reforçar as acções de prevenção e combate à pandemia, preservando a saúde dos utentes dos serviços públicos de privados.

A medida abrange, igualmente, os cidadãos maiores de idade que se desloquem em viagens inter-provinciais, que serão obrigados a apresentar o cartão de vacina como comprovativo da toma de  uma ou das duas doses.

Para o efeito, as instituições públicas e privadas devem dispensar os seus funcionários nos dias da vacinação, para permitir que possam tomar a vacina sem constrangimentos.

As entidades públicas e privadas poderão, de forma a garantir o bem-estar dos utentes e demais trabalhadores, exigir a apresentação de comprovativo dos testes com resultados negativos aos funcionários que não tenham tomado as vacinas.

Estão excluídos da obrigatoriedade de vacinação os menores de 18 anos de idade.

De acordo com a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, que falava recentemente a propósito dessa matéria, trata-se de uma medida acertada, tendo em conta a ausência dos cidadãos em idade de vacinação nos postos criados no país.

A meta do Governo angolano é vacinar 60 por cento da população angolano, num total de 15 milhões de cidadão, sendo que mais de 400 mil cidadãos ainda não compareceram aos postos de vacinação para a toma da segunda dose.

A estatística indica a vacinação de mais de dois milhões de cidadãos desde o início do processo em Março do ano em curso.

Entretanto, na última quinta-feira, o processo ficou marcado por enchentes em alguns postos de vacinação, particularmente no município de Cacuaco, onde se registou grande adesão dos cidadãos e dificuldades na administração das doses de vacina.

O mesmo cenário regista-se hoje no município de Viana, em particular na zona adjacente à administração municipal, onde se registam grandes filas de cidadãos e desrespeito às normas de distanciamento físico.

Vários cidadãos encontram-se no local desde as 04h0 da manhã, mas até ao momento aguardam pela vacinação.

A medida, constante do novo Decreto Presidencial sobre a Situação de Calamidade Pública, visa reforçar as acções de prevenção e combate à pandemia, preservando a saúde dos utentes dos serviços públicos de privados.

A medida abrange, igualmente, os cidadãos maiores de idade que se desloquem em viagens inter-provinciais, que serão obrigados a apresentar o cartão de vacina como comprovativo da toma de  uma ou das duas doses.

Para o efeito, as instituições públicas e privadas devem dispensar os seus funcionários nos dias da vacinação, para permitir que possam tomar a vacina sem constrangimentos.

As entidades públicas e privadas poderão, de forma a garantir o bem-estar dos utentes e demais trabalhadores, exigir a apresentação de comprovativo dos testes com resultados negativos aos funcionários que não tenham tomado as vacinas.

Estão excluídos da obrigatoriedade de vacinação os menores de 18 anos de idade.

De acordo com a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, que falava recentemente a propósito dessa matéria, trata-se de uma medida acertada, tendo em conta a ausência dos cidadãos em idade de vacinação nos postos criados no país.

A meta do Governo angolano é vacinar 60 por cento da população angolano, num total de 15 milhões de cidadão, sendo que mais de 400 mil cidadãos ainda não compareceram aos postos de vacinação para a toma da segunda dose.

A estatística indica a vacinação de mais de dois milhões de cidadãos desde o início do processo em Março do ano em curso.

Entretanto, na última quinta-feira, o processo ficou marcado por enchentes em alguns postos de vacinação, particularmente no município de Cacuaco, onde se registou grande adesão dos cidadãos e dificuldades na administração das doses de vacina.

O mesmo cenário regista-se hoje no município de Viana, em particular na zona adjacente à administração municipal, onde se registam grandes filas de cidadãos e desrespeito às normas de distanciamento físico.

Vários cidadãos encontram-se no local desde as 04h0 da manhã, mas até ao momento aguardam pela vacinação.