Hospital da Humpata realiza primeira cirurgia

  • Huila: Médicos em acção de cirurgia
Humpata - O bloco operatório do Hospital Municipal da Humpata, província da Huíla, realizou, nesta sexta-feira, uma cirurgia electiva, a primeira na história da unidade sanitária inaugurada há dois anos.

Trata-se de uma parceria entre o Hospital Central do Lubango e o Hospital Municipal da Humpata com o principal objectivo de melhorar o acesso dos utentes aos serviços cirúrgicos de baixa complexidade.

Foi uma pequena cirurgia, bem sucedida, à base de anestesia local para a correcção de uma hérnia inguinal escopal, feita a um menor de 12 anos de idade por médicos internos, em formação de especialização no Hospital Central do Lubango.

O programa que engloba fazer pequenas cirurgias, sem requerer anestesia geral, é um passo tido como “importante” para a formação e preparação da abordagem de casos de cirurgia na periferia.

O médico que liderou a equipa, Wilker Dinis, disse que o paciente teve uma prévia consulta e fez os exames complementares, indicando estabilidade, o que contribuiu para o sucesso do processo.

Declarou que tiveram as condições necessárias para realizar o trabalho, feito por uma equipa de três médicos e dois enfermeiros.

O médico realçou depararem-se com muitos casos de hérnia na periferia, a pacientes do sexo masculino, em crianças e adultos, tendo como causas o defeito congénito e factores de risco como esforço físico, obesidade e problemas da próstata.

Fez saber que a próxima cirurgia está marcada para terça-feira, 28, a um paciente de hidrocele gigante, sendo que para além da hérnia e hidrocele podem operar igualmente pacientes com varicocele e infecção no escroto.

A mãe do menor, Flor Bela Tchacamba, fez saber que o seu filho começou a queixar-se em Dezembro do ano transacto e daí começaram as consultas na província do Huambo onde estavam, mas depois mudaram-se para a Humpata (Huíla), nos últimos meses.

"Estou satisfeita com o trabalho dos médicos e esperamos que ele volte a normalidade nos próximos dias", manifestou.

A unidade que há dois anos era um centro médico, passou à categoria de hospital municipal após obras de reabilitação e dispõe de serviços de clínica geral, pediatria, obstétrica ginecologia.

O hospital atende 80 a 100 pacientes/dia no banco de urgência nas áreas de nutrição, medicina, pediatria e maternidade. Tem 120 camas e conta actualmente com três especialistas, um cirurgião, um urologista e um estomatologista/maxilo facial.   

O município dista a 22 quilómetros a sudeste do Lubango.

Trata-se de uma parceria entre o Hospital Central do Lubango e o Hospital Municipal da Humpata com o principal objectivo de melhorar o acesso dos utentes aos serviços cirúrgicos de baixa complexidade.

Foi uma pequena cirurgia, bem sucedida, à base de anestesia local para a correcção de uma hérnia inguinal escopal, feita a um menor de 12 anos de idade por médicos internos, em formação de especialização no Hospital Central do Lubango.

O programa que engloba fazer pequenas cirurgias, sem requerer anestesia geral, é um passo tido como “importante” para a formação e preparação da abordagem de casos de cirurgia na periferia.

O médico que liderou a equipa, Wilker Dinis, disse que o paciente teve uma prévia consulta e fez os exames complementares, indicando estabilidade, o que contribuiu para o sucesso do processo.

Declarou que tiveram as condições necessárias para realizar o trabalho, feito por uma equipa de três médicos e dois enfermeiros.

O médico realçou depararem-se com muitos casos de hérnia na periferia, a pacientes do sexo masculino, em crianças e adultos, tendo como causas o defeito congénito e factores de risco como esforço físico, obesidade e problemas da próstata.

Fez saber que a próxima cirurgia está marcada para terça-feira, 28, a um paciente de hidrocele gigante, sendo que para além da hérnia e hidrocele podem operar igualmente pacientes com varicocele e infecção no escroto.

A mãe do menor, Flor Bela Tchacamba, fez saber que o seu filho começou a queixar-se em Dezembro do ano transacto e daí começaram as consultas na província do Huambo onde estavam, mas depois mudaram-se para a Humpata (Huíla), nos últimos meses.

"Estou satisfeita com o trabalho dos médicos e esperamos que ele volte a normalidade nos próximos dias", manifestou.

A unidade que há dois anos era um centro médico, passou à categoria de hospital municipal após obras de reabilitação e dispõe de serviços de clínica geral, pediatria, obstétrica ginecologia.

O hospital atende 80 a 100 pacientes/dia no banco de urgência nas áreas de nutrição, medicina, pediatria e maternidade. Tem 120 camas e conta actualmente com três especialistas, um cirurgião, um urologista e um estomatologista/maxilo facial.   

O município dista a 22 quilómetros a sudeste do Lubango.