Polícia encerra estabelecimentos por violação do Decreto Presidencial

  • Director das Operações e Segurança Pública da Polícia Nacional, comissário Orlando Bernardo
Luanda - Cento e um estabelecimentos comerciais e de recreação foram encerrados, de oito de Maio a oito de Junho, pela Polícia Nacional em todo o país, por violação e desobediência ao Decreto Presidencial do Estado de Calamidade Pública.

De acordo com o director de Segurança Pública e Operações, comissário Orlando Bernardo, que fazia o balanço das actividades preventivas e de cumprimento do Decreto Presidencial, foram encerradas 25 roulottes, 23 cantinas, 14 bares, 11 restaurantes, nove salões de festa, cinco residências de fabrico de bebidas alcoólicas caseiras, quatro padarias, três lanchonetes, duas hamburgarias e uma igreja. 

O comissário explicou que, nos 30 dias, foram arrecadados 28 milhões 123 mil kwanzas, com destaque para a província de Luanda, com 16 milhões 152 mil kwanzas, Huambo, com quatro milhões, e Zaire, com três milhões, fruto das multas aplicadas, por incumprimento das medidas preventivas e de segurança, num total de sete mil 533 multas. 

Orlando Bernardo disse que foram apreendidas 428 viaturas, por excesso de lotação, nas provincias do Huambo, Huíla, Bié, Cabinda, Malanje, Cunene e Bengo, e foram julgados 75 cidadãos, por desobediência a polícia, por venda ambulante e por tentativa de suborno. 

No período em causa, foram ainda registadas movimentações nas fronteiras nacionais com a Namíbia, a República Democrática do Congo e a África do Sul, com 18 mil 564 entradas no país e a saída de 13 mil 216 cidadãos, assim como produtos diversos para ajuda humanitária.

De acordo com o director de Segurança Pública e Operações, comissário Orlando Bernardo, que fazia o balanço das actividades preventivas e de cumprimento do Decreto Presidencial, foram encerradas 25 roulottes, 23 cantinas, 14 bares, 11 restaurantes, nove salões de festa, cinco residências de fabrico de bebidas alcoólicas caseiras, quatro padarias, três lanchonetes, duas hamburgarias e uma igreja. 

O comissário explicou que, nos 30 dias, foram arrecadados 28 milhões 123 mil kwanzas, com destaque para a província de Luanda, com 16 milhões 152 mil kwanzas, Huambo, com quatro milhões, e Zaire, com três milhões, fruto das multas aplicadas, por incumprimento das medidas preventivas e de segurança, num total de sete mil 533 multas. 

Orlando Bernardo disse que foram apreendidas 428 viaturas, por excesso de lotação, nas provincias do Huambo, Huíla, Bié, Cabinda, Malanje, Cunene e Bengo, e foram julgados 75 cidadãos, por desobediência a polícia, por venda ambulante e por tentativa de suborno. 

No período em causa, foram ainda registadas movimentações nas fronteiras nacionais com a Namíbia, a República Democrática do Congo e a África do Sul, com 18 mil 564 entradas no país e a saída de 13 mil 216 cidadãos, assim como produtos diversos para ajuda humanitária.