População de Viana beneficia de assistência materno-infantil

  • Centro Materno Infantil da Igreja de Simon Kimbango
Luanda - A população do Bairro Km 9/A, distrito urbano da Estalagem, município de Viana, ganhou esta terça-feira um centro materno-infantil, afecto à Igreja Kimbanguista.

Trata-se do primeiro empreendimento do género naquela circunscrição, que deverá prestar à comunidade, entre outras, consultas de pré-natal e puericultura (especialidade da pediatria que se ocupa do acompanhamento integral do processo de desenvolvimento infantil).

Designado Centro Materno-infantil "Simão Kimbangu", o mesmo tem capacidade para 57 camas, numa primeira fase, contando com dois blocos operatórios.

De acordo com o secretário de Estado para a Gestão Hospitalar, Leonardo Inocêncio, que esteve no acto de inanguração, o centro irá atender 30 por cento de fiéis afectos à Igreja Kimbanguista, em particular, e 70 por cento da população, em geral.

Disse tratar-se de uma "estrutura complexa de subordinação provincial", sob coordenação da Igreja Kimbanguista, com serviços de saúde materna, infantil, medicina interna, estomatologia, cardiologia, análises clínicas, entre outros.

Por sua vez, a vice-governadora de Luanda para a área técnica e infra-estruturas, Elizabete Marcos Rafael, enalteceu a iniciativa da Igreja Kimbanguista em erguer o empreendimento naquela área, no âmbito da parceria com o Estado angolano.

Conforme a dirigente, o Governo local está a trabalhar na melhoria da via de acesso àquela área (KM9 A), apesar de não estar contemplada nos projectos do PIIM. Trata-se de uma zona sem infra-estruturas integradas e com falta de saneamento básico, de difícil circulação em tempo chuvoso.  

A esse respeito, o líder da Igreja Kimbanguista em Angola, Kissolokele Kiangani Pau, informou que contactos já foram feitos com as estruturas de direito, no sentido de ser asfaltada a via de acesso ao Centro Materno Infantil Simão Kimbango (Rua dos Fiéis), mas sem avançar um horizonte temporal.

Quanto à infra-estrutura como tal, afirmou que foi construída com a colaboração de todos os fiéis da congregação, sublinhando que vão cobrar da comunidade uma comparticipação modesta, a fim de ajudar a manter a infra-estrutura.

Anunciou, por outro lado, que a Igreja Kimbanguista tem outros projectos em carteira, como a construção, no Bairro Golfe II, município do Kilamba Kiaxi, de um centro de educação feminina, com vista a contribuir na promoção e empoderamento da mulher.

Referiu que em cada ano a igreja procura realizar um projecto e contribuir para melhorar as condições de vida das populações.

Entretanto, a médica Helena Eduardo, regressada há nove meses de Cuba, manifestou-se satisfeita por conseguir o seu primeiro emprego neste centro.

Formada em estomatologia, a especialista afirmou que espera contribuir no tratamento de todos os cidadãos que se apresentarem com problemas de saúde bucal, assim como na educação sanitária das populações.

A infra-estrutura, erguida num espaço onde havia sido construído um policlínico entre 1986 e 1989, destruído em 2017, tem um total de 62 trabalhadores. A mesma foi inaugurada no âmbito do centenário da Igreja Kimbanguista, assinalado nesta terça-feira (6 de Abril).

A Igreja  Kimbanguista foi fundada em Nkamba, República Democrática do Congo, a 6 de Abril de 1921, pelo profeta Simão Kimbangu. Está implantada em 38 países do mundo, com mais de 30 milhões de fiéis.  

 

Trata-se do primeiro empreendimento do género naquela circunscrição, que deverá prestar à comunidade, entre outras, consultas de pré-natal e puericultura (especialidade da pediatria que se ocupa do acompanhamento integral do processo de desenvolvimento infantil).

Designado Centro Materno-infantil "Simão Kimbangu", o mesmo tem capacidade para 57 camas, numa primeira fase, contando com dois blocos operatórios.

De acordo com o secretário de Estado para a Gestão Hospitalar, Leonardo Inocêncio, que esteve no acto de inanguração, o centro irá atender 30 por cento de fiéis afectos à Igreja Kimbanguista, em particular, e 70 por cento da população, em geral.

Disse tratar-se de uma "estrutura complexa de subordinação provincial", sob coordenação da Igreja Kimbanguista, com serviços de saúde materna, infantil, medicina interna, estomatologia, cardiologia, análises clínicas, entre outros.

Por sua vez, a vice-governadora de Luanda para a área técnica e infra-estruturas, Elizabete Marcos Rafael, enalteceu a iniciativa da Igreja Kimbanguista em erguer o empreendimento naquela área, no âmbito da parceria com o Estado angolano.

Conforme a dirigente, o Governo local está a trabalhar na melhoria da via de acesso àquela área (KM9 A), apesar de não estar contemplada nos projectos do PIIM. Trata-se de uma zona sem infra-estruturas integradas e com falta de saneamento básico, de difícil circulação em tempo chuvoso.  

A esse respeito, o líder da Igreja Kimbanguista em Angola, Kissolokele Kiangani Pau, informou que contactos já foram feitos com as estruturas de direito, no sentido de ser asfaltada a via de acesso ao Centro Materno Infantil Simão Kimbango (Rua dos Fiéis), mas sem avançar um horizonte temporal.

Quanto à infra-estrutura como tal, afirmou que foi construída com a colaboração de todos os fiéis da congregação, sublinhando que vão cobrar da comunidade uma comparticipação modesta, a fim de ajudar a manter a infra-estrutura.

Anunciou, por outro lado, que a Igreja Kimbanguista tem outros projectos em carteira, como a construção, no Bairro Golfe II, município do Kilamba Kiaxi, de um centro de educação feminina, com vista a contribuir na promoção e empoderamento da mulher.

Referiu que em cada ano a igreja procura realizar um projecto e contribuir para melhorar as condições de vida das populações.

Entretanto, a médica Helena Eduardo, regressada há nove meses de Cuba, manifestou-se satisfeita por conseguir o seu primeiro emprego neste centro.

Formada em estomatologia, a especialista afirmou que espera contribuir no tratamento de todos os cidadãos que se apresentarem com problemas de saúde bucal, assim como na educação sanitária das populações.

A infra-estrutura, erguida num espaço onde havia sido construído um policlínico entre 1986 e 1989, destruído em 2017, tem um total de 62 trabalhadores. A mesma foi inaugurada no âmbito do centenário da Igreja Kimbanguista, assinalado nesta terça-feira (6 de Abril).

A Igreja  Kimbanguista foi fundada em Nkamba, República Democrática do Congo, a 6 de Abril de 1921, pelo profeta Simão Kimbangu. Está implantada em 38 países do mundo, com mais de 30 milhões de fiéis.