Covid-19: Preso suspeito vendedor de testes falsos

  • Huila: Pormenor da Cidade do Lubango à noite
  • Ilustração do Covid-19
Lubango - Um cidadão de 40 anos de idade foi detido nesta segunda-feira, em flagrante, na cidade do Lubango, pela Polícia Nacional, quando procedia a venda de certificados falsos do teste da Covid-19, diante do Departamento de Saúde Pública, onde se faz a testagem oficial.

Em posse do suspeito foram encontrados vários resultados negativos em papel, que o mesmo comercializava a 15 mil Kwanzas, quando o preço oficial varia de seis a 75 mil Kwanzas, dependendo do motivo da viagem e do tipo do teste.

Segundo o porta-voz da corporação, inspector-chefe Luís Filipe Zilungo, em declarações à Angop, o crime ocorreu na via pública, tendo os efectivos do departamento de ilícitos penais frustrado o acto de comercialização.

“Nós vimos que ele se fazia acompanhar de testes da Covid-19, atestados médicos e todos estes documentos devidamente assinados e carimbados, mas a qualquer momento nos pronunciaremos para mais detalhes da investigação em curso”, apontou.

O acusado, segundo a fonte, será presente ao Ministério Público para procedimentos legais que se impõem, mas as diligências continuam para se apurar e determinar se realmente estão envolvidos funcionários das instituições que integram a Comissão Multissectorial Provincial de Prevenção e Combate à Covid-19.

Por sua vez, o acusado descartou o envolvimento de outras pessoas, explicando que achou a documentação abandonada nas imediações do Departamento de Saúde Pública e Controlo de Endemias e teria se aproveitado da situação.

“Eu fiquei com os documentos por um período de três horas e apareceu um jovem que procurou saber onde é que se fazia teste de Covid-19 e eu prontamente disponibilizei-me em vendê-lo no valor de 15 mil. Ele negou, mas dez minutos depois chamou-me para negociar e de repente chegou a patrulha de intervenção rápida que me prendeu”, frisou.

Em posse do suspeito foram encontrados vários resultados negativos em papel, que o mesmo comercializava a 15 mil Kwanzas, quando o preço oficial varia de seis a 75 mil Kwanzas, dependendo do motivo da viagem e do tipo do teste.

Segundo o porta-voz da corporação, inspector-chefe Luís Filipe Zilungo, em declarações à Angop, o crime ocorreu na via pública, tendo os efectivos do departamento de ilícitos penais frustrado o acto de comercialização.

“Nós vimos que ele se fazia acompanhar de testes da Covid-19, atestados médicos e todos estes documentos devidamente assinados e carimbados, mas a qualquer momento nos pronunciaremos para mais detalhes da investigação em curso”, apontou.

O acusado, segundo a fonte, será presente ao Ministério Público para procedimentos legais que se impõem, mas as diligências continuam para se apurar e determinar se realmente estão envolvidos funcionários das instituições que integram a Comissão Multissectorial Provincial de Prevenção e Combate à Covid-19.

Por sua vez, o acusado descartou o envolvimento de outras pessoas, explicando que achou a documentação abandonada nas imediações do Departamento de Saúde Pública e Controlo de Endemias e teria se aproveitado da situação.

“Eu fiquei com os documentos por um período de três horas e apareceu um jovem que procurou saber onde é que se fazia teste de Covid-19 e eu prontamente disponibilizei-me em vendê-lo no valor de 15 mil. Ele negou, mas dez minutos depois chamou-me para negociar e de repente chegou a patrulha de intervenção rápida que me prendeu”, frisou.