Unidades sanitárias beneficiam de 100 litros de sangue

Huambo – Os hospitais Central, Sanatório e municipal do Huambo beneficiaram, quarta-feira, de 100 litros de sangue, doados pela Brigada Jovens Solidários, em parceria com a Polícia Nacional.

O gesto solidário, que mobilizou 200 voluntários, entre efectivos da Polícia Nacional, membros da Igreja Profética Vencedora no Mundo e trabalhadores da Agência Wiliete Crédito, enquadrou-se nas comemorações do 4 de Fevereiro de 1961, consagrado ao Início da Luta Armada de Libertação Nacional.

O secretário executivo local da Brigada Jovens Solidários, Maurício Kanjondele,  disse, a propósito que o gesto serviu, essencialmente, para sensibilizar os cidadãos sobre a importância da doação de sangue, particularmente nesta altura em que os hospitais na região registam carência do líquido.

Referiu que a carência de sangue com que as unidades sanitárias se debatem tem provocado muitas mortes, sobretudo, nesta fase de pandemia da Covid-19.

Segundo apurou ANGOP, estes hospitais apresentam um stock baixo, sobretudo, para os grupos AB, A e B, sendo que para o factor RH negativo não existem reservas.

O Sistema de Saúde da Província conta com 249 unidades sanitárias, com um total de duas mil 126 camas em diversas enfermarias e 14 na Unidade de Tratamentos Intensivos (UTI).

Tem uma força de trabalho de 308 médicos, três mil 639 enfermeiros, 467 técnicos de diagnósticos e terapeuta, 825 administrativos, além de outros profissionais.

O gesto solidário, que mobilizou 200 voluntários, entre efectivos da Polícia Nacional, membros da Igreja Profética Vencedora no Mundo e trabalhadores da Agência Wiliete Crédito, enquadrou-se nas comemorações do 4 de Fevereiro de 1961, consagrado ao Início da Luta Armada de Libertação Nacional.

O secretário executivo local da Brigada Jovens Solidários, Maurício Kanjondele,  disse, a propósito que o gesto serviu, essencialmente, para sensibilizar os cidadãos sobre a importância da doação de sangue, particularmente nesta altura em que os hospitais na região registam carência do líquido.

Referiu que a carência de sangue com que as unidades sanitárias se debatem tem provocado muitas mortes, sobretudo, nesta fase de pandemia da Covid-19.

Segundo apurou ANGOP, estes hospitais apresentam um stock baixo, sobretudo, para os grupos AB, A e B, sendo que para o factor RH negativo não existem reservas.

O Sistema de Saúde da Província conta com 249 unidades sanitárias, com um total de duas mil 126 camas em diversas enfermarias e 14 na Unidade de Tratamentos Intensivos (UTI).

Tem uma força de trabalho de 308 médicos, três mil 639 enfermeiros, 467 técnicos de diagnósticos e terapeuta, 825 administrativos, além de outros profissionais.