ADESPOV pulveriza residências de famílias vulneráveis

  • Cunene: Panorama da cidade de Ondjiva
Ondjiva – Duzentas residências de famílias vulneráveis, invadidas por vectores nocivos à saúde, (mosquitos, baratas e ratos), no município do Cuanhama, província do Cunene, serão pulverizadas até final do ano em curso.

A iniciativa é da Organização Acção de Desenvolvimento e Enquadramento Social das Populações Vulneráveis (ADESPOV), que procedeu nesta quarta-feira, em Ondjiva, ao lançamento do denominado Projecto de Solidariedade.

 

O programa conta  com um financiamento mensal da ADESPOV, no valor de 400 mil kwanzas, devendo abranger, numa primeira fase, a cidade de Ondjiva.

Na ocasião, o director de programa e projectos do ADESPOV, Sérgio Mateus, disse que a sua implementação visa prevenir a transmissão de doenças provocadas por estes vectores.

 “Somos uma organização comprometida com o bem-estar das populações vulneráveis, com objectivo de proporcionar o desenvolvimento sustentável e a justiça social”, afirmou.

Fez saber que o projecto está a ser desenvolvido em parceria com os gabinetes provinciais da Acção Social e da Saúde no Cunene, e estará voltado também à transmissão de mensagem às comunidades sobre a prevenção da Covid-19.

Por seu turno, a directora do Gabinete Provincial da Acção Social, Família e Igualdade do Género no Cunene, Elizeth Mwamelungi, disse que a iniciativa surge na melhor fase das chuvas, período em que os mosquitos se reproduzem em quantidade.

Elizeth Mwamelungi sublinhou que esta é uma forma dos parceiros ajudarem o governo, que não pode fazer tudo sozinho, a combater às doenças e proporcionar um ambiente saudável às famílias.

A iniciativa é da Organização Acção de Desenvolvimento e Enquadramento Social das Populações Vulneráveis (ADESPOV), que procedeu nesta quarta-feira, em Ondjiva, ao lançamento do denominado Projecto de Solidariedade.

 

O programa conta  com um financiamento mensal da ADESPOV, no valor de 400 mil kwanzas, devendo abranger, numa primeira fase, a cidade de Ondjiva.

Na ocasião, o director de programa e projectos do ADESPOV, Sérgio Mateus, disse que a sua implementação visa prevenir a transmissão de doenças provocadas por estes vectores.

 “Somos uma organização comprometida com o bem-estar das populações vulneráveis, com objectivo de proporcionar o desenvolvimento sustentável e a justiça social”, afirmou.

Fez saber que o projecto está a ser desenvolvido em parceria com os gabinetes provinciais da Acção Social e da Saúde no Cunene, e estará voltado também à transmissão de mensagem às comunidades sobre a prevenção da Covid-19.

Por seu turno, a directora do Gabinete Provincial da Acção Social, Família e Igualdade do Género no Cunene, Elizeth Mwamelungi, disse que a iniciativa surge na melhor fase das chuvas, período em que os mosquitos se reproduzem em quantidade.

Elizeth Mwamelungi sublinhou que esta é uma forma dos parceiros ajudarem o governo, que não pode fazer tudo sozinho, a combater às doenças e proporcionar um ambiente saudável às famílias.