ANGOP realiza V Conselho Consultivo

  • Sede da ANGOP
Luanda - A Agência Angola Press-E.P (ANGOP) realiza, de 12 a 14 deste mês, o V Conselho Consultivo, com o foco no reforço da sua afirmação interna e externa.

O evento, que contará com a participação dos membros do Conselho de Administração, delegados provinciais, chefes de departamento e convidados, servirá ainda para a promoção de abordagens sobre a estratégia para a melhoria da cobertura a nível dos municípios e comunas, legislação laboral, ética e deontologia profissional, entre outros.

Durante três dias, os participantes vão efectuar o balanço da execução das acções programadas durante o IV conselho e traçar estratégias para a melhoria da cobertura das eleições gerais, previstas para 2022, e das agendas diárias.

Constam ainda da ordem de trabalhos uma abordagem sobre a importância das telecomunicações e tecnologias de informação para o trabalho jornalístico, e  palestras sobre legislação laboral e sobre ética e deontologia profissional.

No seu último conselho consultivo, os participantes haviam recomendado que se realizem, entre outras, acções de refrescamento técnico de elaboração de notícias e outros géneros jornalísticos, a criação de uma rede de formadores permanentes para continuar a cuidar da actualização técnico profissional dos jornalistas.

Criada em Julho de 1975, com a denominação Agência Nacional Angola Press (ANAP), no início, os seus trabalhos eram distribuídos sob a forma de boletim impresso, até que, a 30 de Outubro do mesmo ano, lançou o seu primeiro despacho telegráfico.

A 2 de Dezembro de 1975, a agência adoptou a sua actual e definitiva denominação Agência Angola Press, ao lançar, naquela data, o seu primeiro despacho com o acrónimo ANGOP.

A ANGOP é, até ao momento, a única agência noticiosa do país, cuja tarefa é a recolha, tratamento e distribuição de informação, nos formatos de texto, fotografia, áudio, vídeo e infografia.

A empresa emite despachos em quatro línguas: português, inglês, francês e espanhol, recolhidos nas 18 províncias de Angola a além fronteiras.

O evento, que contará com a participação dos membros do Conselho de Administração, delegados provinciais, chefes de departamento e convidados, servirá ainda para a promoção de abordagens sobre a estratégia para a melhoria da cobertura a nível dos municípios e comunas, legislação laboral, ética e deontologia profissional, entre outros.

Durante três dias, os participantes vão efectuar o balanço da execução das acções programadas durante o IV conselho e traçar estratégias para a melhoria da cobertura das eleições gerais, previstas para 2022, e das agendas diárias.

Constam ainda da ordem de trabalhos uma abordagem sobre a importância das telecomunicações e tecnologias de informação para o trabalho jornalístico, e  palestras sobre legislação laboral e sobre ética e deontologia profissional.

No seu último conselho consultivo, os participantes haviam recomendado que se realizem, entre outras, acções de refrescamento técnico de elaboração de notícias e outros géneros jornalísticos, a criação de uma rede de formadores permanentes para continuar a cuidar da actualização técnico profissional dos jornalistas.

Criada em Julho de 1975, com a denominação Agência Nacional Angola Press (ANAP), no início, os seus trabalhos eram distribuídos sob a forma de boletim impresso, até que, a 30 de Outubro do mesmo ano, lançou o seu primeiro despacho telegráfico.

A 2 de Dezembro de 1975, a agência adoptou a sua actual e definitiva denominação Agência Angola Press, ao lançar, naquela data, o seu primeiro despacho com o acrónimo ANGOP.

A ANGOP é, até ao momento, a única agência noticiosa do país, cuja tarefa é a recolha, tratamento e distribuição de informação, nos formatos de texto, fotografia, áudio, vídeo e infografia.

A empresa emite despachos em quatro línguas: português, inglês, francês e espanhol, recolhidos nas 18 províncias de Angola a além fronteiras.