Associação defende desenvolvimento nas comunidades de exploração diamantíferas

Saurimo – O presidente da Associação Justiça, Paz e Democracia (AJPD), Serra Bango, defendeu hoje, quarta-feira, na cidade de Saurimo (Lunda Sul), a necessidade de se promover o desenvolvimento sustentável das comunidades que vivem nas áreas de exploração diamantíferas, assegurando o direito económico e social das populações.

Falando na abertura da primeira conferência sobre “Direitos Humanos, Indústria Extractiva e Responsabilidade Social Corporativa, o responsável disse ser necessário o equilíbrio do meio ambiente e a interacção socioprofissional da população que reside nas áreas circunvizinhas a exploração diamantífera.

Sublinhou que o encontro visa analisar o contributo das empresas de diamantes para o desenvolvimento cultural, económico e social da Lunda Sul, munir os cidadãos de conhecimento sobre os desafios, importância e adesão de Angola a Iniciativa da Transparência nas Indústrias Extractivas (ITIE).

Serra Bango fez saber que constam, igualmente, dos objectivo da conferência, discutir e reflectir sobre os conflitos emergentes na ocupação das terras comunitárias no processo de negociação, avaliar a actividade mineira na promoção dos direitos económicos, sociais, culturais e ambientais, bem como a política da concepção das senhas de exploração artesanal a nível da Lunda Sul.

Adiantou que ao longo destes anos, a AJPD tem servido de ponte, no sentido de aproximar as partes envolvidas no processo (comunidades e empresas diamantíferas), fazendo o levantamento dos problemas e propondo soluções e alternativas a ambas partes.

Durante três dias, os participantes vão abordar temas relacionados em como podem os diamantes contribuir para o desenvolvimento das comunidades, concessão de senhas de exploração diamantífera pelas autarquias locais, relação entre empresas de exploração mineira e as comunidades, papel e inserção da mulher nas comunidades impactadas pela exploração diamantífera, entre outros.

Participam na conferência economistas, representantes das empresas mineiras existentes na região, autoridades religiosas e tradicionais das províncias da Lunda Sul e Lunda Norte.

AJPD é uma organização nacional apartidária de carácter voluntário constituída em 2020.

 

Falando na abertura da primeira conferência sobre “Direitos Humanos, Indústria Extractiva e Responsabilidade Social Corporativa, o responsável disse ser necessário o equilíbrio do meio ambiente e a interacção socioprofissional da população que reside nas áreas circunvizinhas a exploração diamantífera.

Sublinhou que o encontro visa analisar o contributo das empresas de diamantes para o desenvolvimento cultural, económico e social da Lunda Sul, munir os cidadãos de conhecimento sobre os desafios, importância e adesão de Angola a Iniciativa da Transparência nas Indústrias Extractivas (ITIE).

Serra Bango fez saber que constam, igualmente, dos objectivo da conferência, discutir e reflectir sobre os conflitos emergentes na ocupação das terras comunitárias no processo de negociação, avaliar a actividade mineira na promoção dos direitos económicos, sociais, culturais e ambientais, bem como a política da concepção das senhas de exploração artesanal a nível da Lunda Sul.

Adiantou que ao longo destes anos, a AJPD tem servido de ponte, no sentido de aproximar as partes envolvidas no processo (comunidades e empresas diamantíferas), fazendo o levantamento dos problemas e propondo soluções e alternativas a ambas partes.

Durante três dias, os participantes vão abordar temas relacionados em como podem os diamantes contribuir para o desenvolvimento das comunidades, concessão de senhas de exploração diamantífera pelas autarquias locais, relação entre empresas de exploração mineira e as comunidades, papel e inserção da mulher nas comunidades impactadas pela exploração diamantífera, entre outros.

Participam na conferência economistas, representantes das empresas mineiras existentes na região, autoridades religiosas e tradicionais das províncias da Lunda Sul e Lunda Norte.

AJPD é uma organização nacional apartidária de carácter voluntário constituída em 2020.