Benguela aplica mais de Akz mil milhões no combate à pobreza

  • Vice-governadora de Benguela para o Sector Político, Social e Económico, Deolinda Valiangula
Benguela – Mil milhões, 655 milhões, 456 mil e 655 kwanzas foram aplicados, de Janeiro a Novembro, no Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza (PIDLCP), dos mais de dois mil milhões previstos para sua execução em 2020.

Segundo a governadora em exercício de Benguela, Deolinda Valiangula, que falava à ANGOP, a província contou neste exercício com um orçamento de dois mil milhões, 759 milhões, 94 mil e 425 kwanzas e 82 cêntimos para materialização do PIDLCP, situando a sua execução em mais de 70 por cento, quando faltam ainda dois meses para a conclusão do ano económico.

Sem apontar o número de beneficiários, frisou que o objectivo é retirar o maior número possível de pessoas da vulnerabilidade, melhorando a vida das populações, principalmente a nível do desenvolvimento humano, onde os ex-militares apresentam-se com especificidade própria, ocupando 60 por cento do conjunto deste programa.

Estão em execução 34 projectos na província de Benguela, onde a reinserção na vida produtiva ganha ênfase, apesar da diferença de potencialidades por cada município.

“Se no município de Benguela se pode investir nos sectores da agricultura e pesca, o mesmo difere do da Baía Farta, ou do Caimbambo, tendo em conta a existência de sal, no primeiro e as vantagens agropecuárias, neste último, cujos sectores devem ser potencializados para o bem das comunidades”, sublinhou.

Informou também que os programas dos 10 municípios de Benguela foram aprovados pelos conselhos municipais de auscultação, daí que todas as potencialidades nele descritas devem ter primazia, por terem sido indicadas pelos respectivos conselhos locais.    

O PIDLCP tem como base legal o Decreto Presidencial nº 140/18, de 6 de Julho e está alinhado ao PND (Plano Nacional de Desenvolvimento), que conta com um total de 83 programas, sendo o de combate à pobreza um dos mais importantes, tendo em conta a sua incidência na vida de parte significativa da população do país.

Segundo a governadora em exercício de Benguela, Deolinda Valiangula, que falava à ANGOP, a província contou neste exercício com um orçamento de dois mil milhões, 759 milhões, 94 mil e 425 kwanzas e 82 cêntimos para materialização do PIDLCP, situando a sua execução em mais de 70 por cento, quando faltam ainda dois meses para a conclusão do ano económico.

Sem apontar o número de beneficiários, frisou que o objectivo é retirar o maior número possível de pessoas da vulnerabilidade, melhorando a vida das populações, principalmente a nível do desenvolvimento humano, onde os ex-militares apresentam-se com especificidade própria, ocupando 60 por cento do conjunto deste programa.

Estão em execução 34 projectos na província de Benguela, onde a reinserção na vida produtiva ganha ênfase, apesar da diferença de potencialidades por cada município.

“Se no município de Benguela se pode investir nos sectores da agricultura e pesca, o mesmo difere do da Baía Farta, ou do Caimbambo, tendo em conta a existência de sal, no primeiro e as vantagens agropecuárias, neste último, cujos sectores devem ser potencializados para o bem das comunidades”, sublinhou.

Informou também que os programas dos 10 municípios de Benguela foram aprovados pelos conselhos municipais de auscultação, daí que todas as potencialidades nele descritas devem ter primazia, por terem sido indicadas pelos respectivos conselhos locais.    

O PIDLCP tem como base legal o Decreto Presidencial nº 140/18, de 6 de Julho e está alinhado ao PND (Plano Nacional de Desenvolvimento), que conta com um total de 83 programas, sendo o de combate à pobreza um dos mais importantes, tendo em conta a sua incidência na vida de parte significativa da população do país.