Polícia apreende mais de 11 mil litros de gasolina na orla marítima

  • Combustível contrabandeado (ilustracção)
Cabinda – Onze mil e 100 litros de gasolina comissionados em quatrocentos e quarenta e quatro (444) bidões de 25 litros/cada, que estavam a ser contrabandeados para a República Democrática do Congo (RDC), foram apreendidos pelas forças conjuntas da Polícia Nacional e da Marinha Guerra Nacional.

A operação, ocorrida na segunda-feira, resultou na detenção de 10 cidadãos envolvidos no contrabando, sendo 8 nacionais e dois (2) da República Democrática do Congo.

Transportar combustíveis em canoas ou pirogas de pescas na zona costeira marítima a sul de Cabinda, nas áreas de Luvassa-Sul e Yabi, com fronteiras terrestres e marítima com a Vila Congolesa de Muanda (RDC), tem sido o novo modus operandos dos traficantes de combustíveis.

O comunicado da polícia a que a ANGOP teve acesso, indica ainda que ao longo da semana foram detidos cinco membros das  empresas de segurança privada Tele-Service e Mambonji, por subtraírem 63 metros de cabos eléctricos de cobre de alta tensão nos estaleiros da empresa GDK-Angola junto ao Terminal Oceânico de Cabinda (TOC), na aldeia de Futila.

Na sequência de prevenção e combate a criminalidade, forças conjuntas da polícia nacional, SIC, Marinha de Guerra, em colaboração com a população, está a redobrar as medidas de prevenção, com o patrulhamento em bairros, na orla maritima e zonas fluviais.

A operação, ocorrida na segunda-feira, resultou na detenção de 10 cidadãos envolvidos no contrabando, sendo 8 nacionais e dois (2) da República Democrática do Congo.

Transportar combustíveis em canoas ou pirogas de pescas na zona costeira marítima a sul de Cabinda, nas áreas de Luvassa-Sul e Yabi, com fronteiras terrestres e marítima com a Vila Congolesa de Muanda (RDC), tem sido o novo modus operandos dos traficantes de combustíveis.

O comunicado da polícia a que a ANGOP teve acesso, indica ainda que ao longo da semana foram detidos cinco membros das  empresas de segurança privada Tele-Service e Mambonji, por subtraírem 63 metros de cabos eléctricos de cobre de alta tensão nos estaleiros da empresa GDK-Angola junto ao Terminal Oceânico de Cabinda (TOC), na aldeia de Futila.

Na sequência de prevenção e combate a criminalidade, forças conjuntas da polícia nacional, SIC, Marinha de Guerra, em colaboração com a população, está a redobrar as medidas de prevenção, com o patrulhamento em bairros, na orla maritima e zonas fluviais.