Campanha de activismo contra violência no género abre quinta-feira

Luanda - A campanha dos 16 dias de activismo contra a violência no género começa na quinta-feira, 26, em Luanda.

A informação foi avançada, nesta terça-feira, pela directora Nacional para as Políticas Familiares, Igualdade e Equidade do Género, Santa Ernesto, no espaço noticioso Bom Dia Angola, da TPA.

Este ano, a campanha conta como ponto alto a conferência contra a violência no género, que servirá, fundamentalmente, para a partilha de experiências e as boas práticas em torno das estratégias para a prevenção contra a violência no género.

Segundo Santa Ernesto, a prevenção, bem como a consciencialização das famílias e das sociedades é fundamental para o combate à violência doméstica.

Conforme a responsável, surge da necessidade das sociedades e as famílias se unirem para combater esse mal.

"Esse mal, infelizmente, tem causado distância, a desestruturação e destruição familiar", reforçou.

Santa Ernesto explicou que por conta da pandemia da Covid-19, este ano a campanha será em formato diferente, não havendo, portanto, actividades presenciais.

Indicou ainda que os números 145 e o 146 estão disponíveis para denúncia de casos de violência doméstica.

O MASFAMU conta com 80 salas de acompanhamento familiar em todas as províncias.

Esta campanha internacional começou  em 1991 por iniciativa do Instituto de Liderança e coordenação do Centro de Liderança Global das Mulheres Globais da Mulher.

A campanha vai de 25 de Novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, a 10 de Dezembro, Dia dos Direitos Humanos.

A  campanha é uma jornada que visa promover acções pelo fim da violência contra mulheres e meninas em todo o mundo.

Dados disponíveis indicam o registo, desde o mês de Março, de 567 casos de violência doméstica, dos quais 486 queixas por mulheres, através dos gabinetes provinciais, e 124 por homens.

Em 2019 foram registados, em Angola, 3.703 casos de violência doméstica apenas durante o primeiro semestre, segundo dados do Governo.

A informação foi avançada, nesta terça-feira, pela directora Nacional para as Políticas Familiares, Igualdade e Equidade do Género, Santa Ernesto, no espaço noticioso Bom Dia Angola, da TPA.

Este ano, a campanha conta como ponto alto a conferência contra a violência no género, que servirá, fundamentalmente, para a partilha de experiências e as boas práticas em torno das estratégias para a prevenção contra a violência no género.

Segundo Santa Ernesto, a prevenção, bem como a consciencialização das famílias e das sociedades é fundamental para o combate à violência doméstica.

Conforme a responsável, surge da necessidade das sociedades e as famílias se unirem para combater esse mal.

"Esse mal, infelizmente, tem causado distância, a desestruturação e destruição familiar", reforçou.

Santa Ernesto explicou que por conta da pandemia da Covid-19, este ano a campanha será em formato diferente, não havendo, portanto, actividades presenciais.

Indicou ainda que os números 145 e o 146 estão disponíveis para denúncia de casos de violência doméstica.

O MASFAMU conta com 80 salas de acompanhamento familiar em todas as províncias.

Esta campanha internacional começou  em 1991 por iniciativa do Instituto de Liderança e coordenação do Centro de Liderança Global das Mulheres Globais da Mulher.

A campanha vai de 25 de Novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, a 10 de Dezembro, Dia dos Direitos Humanos.

A  campanha é uma jornada que visa promover acções pelo fim da violência contra mulheres e meninas em todo o mundo.

Dados disponíveis indicam o registo, desde o mês de Março, de 567 casos de violência doméstica, dos quais 486 queixas por mulheres, através dos gabinetes provinciais, e 124 por homens.

Em 2019 foram registados, em Angola, 3.703 casos de violência doméstica apenas durante o primeiro semestre, segundo dados do Governo.