Chuvas causam a morte de 23 pessoas em três meses no Huambo

Huambo – Vinte e três pessoas morreram e outras três ficaram feridas, entre 15 de Setembro a 24 deste mês, devido as chuvas, acompanhadas de fortes ventos e descargas eléctricas que atingiram a província do Huambo, com a destruição de 72 casas, duas escolas e igual número de igrejas.

Segundo uma nota de imprensa do Serviço local de Protecção Civil e Bombeiros que a ANGOP teve acesso, esta quarta-feira, em comparação ao igual período anterior registou-se o aumento de 15 mortos, a redução de sete feridos e um acrescimento de 50 casas destruídas.

Conforme o documento inconstitucional, os casos ocorreram nos municípios da Caála, com sete mortos e um ferido, Cachiungo igualmente com sete mortos, Ucuma, com três mortos, um ferido e uma escola destruída, Mungo com dois óbitos e duas residências desabadas, além do Huambo, com sete casas sem tecto.

Constam ainda as municipalidades do Londuimbali com dois óbitos, 35 casas destruídas e duas igrejas sem tecto, Longonjo, com um morto e um ferido, Bailundo com um óbito e Chicala-Cholohanga, com 20 casas desabadas.

A nota indica ainda que no mesmo período 20 cabeças de gado bovino perderam a vida em consequência de descargas eléctricas nas localidades de Ussoque, município do Londuimbali, com 15 casos e cinco no da Caála.

Localizada no Planalto Central de Angola, com uma área de 35.771 quilómetros quadros, vivem na província do Huambo, cujo período chuvoso do ano dura, aproximadamente nove meses, de 15 de Agosto a 15 de Maio, dois milhões, 519 mil e 309 habitantes, distribuídos em 11 municípios.

Tem um clima tropical, com uma temperatura média de 20.2 °C, Dezembro é o mês mais quente do ano, enquanto em Agosto tem uma temperatura média de 18.2 °C, sendo a mais baixa do ano.

 

 

 

Segundo uma nota de imprensa do Serviço local de Protecção Civil e Bombeiros que a ANGOP teve acesso, esta quarta-feira, em comparação ao igual período anterior registou-se o aumento de 15 mortos, a redução de sete feridos e um acrescimento de 50 casas destruídas.

Conforme o documento inconstitucional, os casos ocorreram nos municípios da Caála, com sete mortos e um ferido, Cachiungo igualmente com sete mortos, Ucuma, com três mortos, um ferido e uma escola destruída, Mungo com dois óbitos e duas residências desabadas, além do Huambo, com sete casas sem tecto.

Constam ainda as municipalidades do Londuimbali com dois óbitos, 35 casas destruídas e duas igrejas sem tecto, Longonjo, com um morto e um ferido, Bailundo com um óbito e Chicala-Cholohanga, com 20 casas desabadas.

A nota indica ainda que no mesmo período 20 cabeças de gado bovino perderam a vida em consequência de descargas eléctricas nas localidades de Ussoque, município do Londuimbali, com 15 casos e cinco no da Caála.

Localizada no Planalto Central de Angola, com uma área de 35.771 quilómetros quadros, vivem na província do Huambo, cujo período chuvoso do ano dura, aproximadamente nove meses, de 15 de Agosto a 15 de Maio, dois milhões, 519 mil e 309 habitantes, distribuídos em 11 municípios.

Tem um clima tropical, com uma temperatura média de 20.2 °C, Dezembro é o mês mais quente do ano, enquanto em Agosto tem uma temperatura média de 18.2 °C, sendo a mais baixa do ano.